05/05/2017

O Mais Forte Aperto de Mão de Campo Mourão

 

 
Família de Alfeu Teodoro de Oliveira em Campo Mourão

Alfeu Teodoro de Oliveira é filho de Almira Lemes da Silva (nome de escola municipal no Barreiro das Frutas - Campo Mourão - PR) e de José Teodoro de Oliveira.

Torniquete - O pioneiro Alfeu Teodoro de Oliveira, ex-prefeito de Janiópolis, pai do advogado e ex-vereador Eraldo Teodoro de Oliveira, tinha a mania de apertar a mão das pessoas, com força, ao cumprimentá-las. "Na primeira vez que estive com seu Alfeu, quando tinha uns dezesseis anos, foi para fazer umas cobranças de serviços executados pela oficina (Auto Elétrica Paulista) de meu pai, em maquinários dele. Olha o juízo nosso nos anos 1970: saí daqui, de Campo Mourão, sozinho, dirigindo um Jeep de meu pai até Janiópolis para fazer cobranças, justamente do seu Alfeu, que tinha fama de bravo e, com sua cara sempre séria, botava mais medo ainda na gente. Mas foi chegar na casa dele e o mito foi todo por terra: me receberam, ele e a esposa, dona Ana Albuquerque de Oliveira, com um delicioso cafezinho, sempre me tratando por Irineuzinho (meu pai é Irineu, eu também) e pagou as notas do mês conforme combinado. Os apertos de mãos foram todos normais. Na volta, para azucrinar com o amigo, falei:- Que coisa Ari, parece que você chorou durante o aperto de mão? 
- Choorei?... eu mijei foi é nas calças! parecia que um torno morsa apertava minha mão, tamanha a força do seu Alfeu. Nunca mais volto lá."  Também não vi mais o Ari, concluiu Luizinho.

Mão de pau - O filho, Eraldo Teodoro de Oliveira, a propósito do forte aperto de mão de seu pai, recorda que o arrojado piloto de teco-teco, 'afilhado' do deputado estadual Paulo Poli, que o trouxe a Campo Mourão e depois foi cartorário em Janiópolis, Odair da Rosa Lima (Tico Tico) levou muitos apertões de mão de 'sair -água dos olhos' até que um dia resolveu brincar com a situação: "Mandou fazer uma postiça mão de madeira e, toda vez que topava com seu Alfeu, lá vinha ele com a mãozota esticada e aberta, Odair tirava a mão de pau, que carregava no bolso, e a oferecia para ser apertada. Seu Alfeu ria muito com ele. Eram bons amigos. O cumprimento verbal saia, mas sem o dolorido aperto de mão", conta Eraldo, rindo.

  Pioneiros de Janiópolis - PR

À sombra de imensos pinheirais e sobre terra fértil, por volta de 1935, surgiu a localidade de Três Marcos, depois Pinhalzinho, atualmente Janiópolis. 
Muitos foram os pioneiros que não mediram sacrifícios e, com muita luta e denodada coragem encararam as adversidades naturais da mata densa e dos intricados pinheirais, na região hoje conhecida por Janiópolis  – homenagem ao ex-presidente: Jânio Quadros. 
Dentre os heróis do sertão e desbravadores de Janiópolis – PR, destacam-se:
Cândida Quadros dos Santos (1935), Julio Fermiano (1943), João Fidelis (1948), Joaquim Fermiano (1947), Campolim Moreira de Souza (1949), Antonio Ferreira Dangui (1952), Durval Franco (1952), Pedro da Silva (1949), Alfeu Teodoro de Oliveira (1949); Benedito Batuira Pereira Porto (1953), Maria Sercundes de Souza (1952), Izael Pereiras Porto (1955), Augusto do Rosário Carreira (1957), Francisco Riado Ribas Filho (1954), Leônidas Motta (1953), Lucélia Maria Cazarin da Silva ( 1954), Esmerinda Alves da Cruz ( 1950), Castorina da Aparecida ( 1944), Juvenal Teixeira (1950), Maria Teotônia de Oliveira (1950), Amando Ilheos da Silva (1940), Maria Reinaldo da Cunha ( 1950), Maria Verônica de Oliveira (1950), Enedina Tereza de Jesus dos Santos (1950), Antonio Mariano de Campos (1950), Armando Alves Barbosa (1957), Emanuel Barros Freire (1950), Raimundo Agapito de Souza (1950), Alípio Moreira (1961), João Gomes (1946), Natal Breda (1952), Manoel Barbosa dos Santos (1948), Pedro Cardoso de Morais (1942), Januário Chiulli (1951), João Detoni ((1958), João Fernandes da Fonseca (1958), João Cardoso de Morais (1948)), Família Prado (1960), Família Belém (1960), Oscar de Paula Pereira (1948), Vitor Detoni (1956), Derci Garcia Romano (1953), Palmira Gomes (1951), Zeneide de Bairros (1951), José Veloso (1951), Valdemar Garcia Rodrigues (1953, Antonio Garcia Rodrigues (1953), José Marques (1961), Maria Taveira Celestino ( 1960), Etelvina Barros Freire (1956), Osvaldo Teixeira (1956), Antonina da Aparecida (1944), Carmelinda Lopes Perez (1949), Zuzi da Silva (1956), Iza Maria de Jesus (1960), Joaquim da Costa (1950), José Pascoal de Souza (1957) e Ambrosina Alves de Souza (1956), dentre outros que aportaram, em Pinhalzinho/Janiópolis, depois deste registro.

Emancipação - Pinhalzinho foi distrito administrativo de Campo Mourão até a criação do Município de Janiópolis pela Lei 4.450/61 de 21 de Outubro de 1961, assinada pelo governador Ney Aminthas de Barros Braga. No entanto, a  instalação efetiva do Município, deu-se dia 18 de Novembro de 1962, com a posse do primeiro prefeito eleito: Oscar de Paula Pereira. No mesmo pleito eleitoral foram sufragados os nomes de oito vereadores na primeira legislatura janiopolense: Antonio Augusto da Silva, João Batista do Lago, João de Paula Pereira, João Quintino, José Antenor Alves, Raimundo Claro Filho, Telvi Barzotto e Valdevino Celoni.

 
Alfeu Teodoro de Oliveira, vereador em Campo Mourão e prefeito em Janiópolis


Trajetória Política 
  
Acima os três primeiros prefeitos de Janiópolis - PR
município onde Alfeu  foi prefeito por três mandatos. 
Conforme consta na Galeria dos Prefeitos de Janiópolis – PR, na sua trajetória política, Alfeu Teodoro de Oliveira, foi eleito por três vezes, nos seguintes períodos:
1966 à 1970 - Prefeito: Alfeu Teodoro de Oliveira e vice prefeito: Durval Franco da Silva.
1972 à 1977 - Prefeito: Alfeu Teodoro de Oliveira e vice prefeito: Massaru Makimori.
31/01/1993 à 29/05/1993 - Prefeito: Alfeu Teodoro de Oliveira e vice prefeito: Avelino Bortolini.

Alfeu Vereador - Na 3ª Legislatura da Câmara Municipal de Campo Mourão – PR – 1955/59 -  Alfeu Teodoro de Oliveira (PSD) foi eleito suplente, mas logo assumiu uma cadeira definitiva, ao lado de: Antonio Marques de Oliveira, Alcides Ferreira, Arino Borges, Ivo Mario Trombini, João Otales Mendes, Joaquim Teodoro de Oliveira, Januário Pinheiro, Nelson Bittencourt Prado, Paulo Vinício Fortes e Reinaldo Silva. 

Nessa gestão foram prefeitos: Roberto Brzezinski (1955/56), Paulo Vinicio Fortes (assumiu na qualidade de presidente da Câmara em virtude do falecimento de Roberto Brzezinski) e Antonio Teodoro de Oliveira eleito pelo voto popular. Seu Antoninho, conhecido assim, era irmão dos vereadores Alfeu Teodoro de Oliveira e Joaquim Teodoro de Oliveira.


 
Alfeu Teodoro de Oliveira foi duas vezes vereador  em Campo Mourão,
o segundo à esquerda, no Clube 10 de Outubro.

Na 4ª Legislatura da Câmara Municipal de Campo Mourão – PR – 1959/63 - Alfeu Teodoro de Oliveira (PSD) foi fundo na sua campanha, superou todas as expectativas e surpreendeu seus concorrentes políticos, ao obter a maior votação neste pleito, com significativos 824 votos, quiçá a maior dentre todos os municípios do Paraná. Além de Alfeu foram eleitos: Lary Calixto Razzolini (PSD) o segundo colocado com 769 votos; José Dutra de Almeida Lira (PTB), o terceiro com 685 votos; Antonio Bittencourt Franco (PSD, 570 votos, João Seratiuk (PTB), 432 votos, Daniel Miranda (PSD) 411 votos, João Fenianos (PRP), 379 votos, Osman Ribeiro (PSP), 347 votos, Querino Cararo (PTB) 343 votos e Francisco José da Silva (PSD), 322 votos.
Os suplentes que assumiram temporariamente ou em definitivo, foram: Alfonso Germano Hruschka, Vassilio Mamus, Moacyr Reis Ferraz, Nelson Guimarães Monteiro, Eugenio Malmestron, Aroldo Tissot, Fioravante João Ferri e Dúlcia (Dulcineia) (primeira mulher a exercer um mandato legislativo na Câmara Municipal de Campo Mourão). O prefeito, durante esta Legislatura, foi Antonio Teodoro de Oliveira e, presidente da Câmara Municipal: Lary Calixto Razzolini.

Sem Pagamento - Nestas legislaturas, bem como nas as anteriores e seguintes, até 1963, os vereadores mourãoenses reuniam-se, ordinariamente, geralmente à noite (trabalhavam durante o dia) e não tinham ‘salários’ nem assessores; não recebiam nenhuma subvenção, nada de ajuda de custo e sem diárias quando viajavam a serviço pró-município. Em resumo, os vereadores não oneravam o erário municipal e bancavam suas despesas legislativas (viagens, deslocamentos, refeições e etc) com dinheiro do próprio bolso.

A cavalo - Outro detalhe é que o Município de Campo Mourão era imenso, do tamanho da Comunidade dos Municípios de Campo Mourão – Comcam, que congrega 25 comunidades, hoje independes perante os governos constituídos do Paraná e do Brasil. Por décadas, todos estes municípios pertenciam ao território político e administrativo de Campo Mourão e vários vereadores moravam distantes da sede, em simples localidades e distritos, dentre eles, por exemplo: Alfeu Teodoro de Oliveira de Pinhalzinho/Janiópolis e Daniel Miranda, de Mamborê. Alguns vinham a cavalo, conforme contava Newton Albuquerque, que fez parte da 1ª Legislatura Mourãoense (1947-1950). Eu vinha da Figueira, quase 40 quilômetros daqui e o Dr Daniel (Portela) vinha de Peabiru, inclusive a esposa dele, também vinha e voltava a cavalo pra dar aula na escolinha municipal, anexada a prefeitura de Campo Mourão”, relembrou Newton. 
Acidente fatal - Alfeu e Ana faleceram no final de maio de 1993, ao se acidentarem, em seu automóvel, ao perder a direção em uma curva na BR-272, trecho Campo Mourão/Janiópolis. Retornavam à sua casa, perto das 2hs e 30m,  após o Baile Queijos e Vinhos realizado, tradicionalmente, no Clube Social e Recreativo 10 de Outubro de Campo Mourão – PR. Alfeu estava prefeito de Janiópolis - PR, quando este fato ocorreu.


 
Família Custodio (Teodoro) de Oliveira 
desde 1910 em Campo Mourão



Obs: página em construção.