11/09/16

Valorize o que é bom


O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o na rua e lhe fez este pedido:

"Sr. Bilac, preciso vender meu sítio, que o Senhor tão bem conhece. Poderá redigir o anúncio ao jornal, com suas belas palavras, por favor?" 

de caneta em punho, Olavo Bilac apanhou o papel e escreveu:

'Vende-se encantadora propriedade, onde cantam pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo; cortada por cristalinas e marejantes águas de um borbulhante ribeiro próximo. A casa, banhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranquila das tardes, na varanda'.

Meses depois, topa o poeta com o homem e lhe pergunta se havia vendido o sítio:

"Nem pense nisso," disse o homem. "Quando li o anúncio é que percebi a maravilha que tinha!"

Às vezes não percebemos as coisas boas que temos conosco, e vamos longe atrás da miragem de falsos tesouros.

Valorize o que tem; as pessoas, os momentos, a família, as amizades, a saúde... enfim, valorize tudo que te faz bem e afaste-se de tudo que te faz mal.




06/06/16

Promotor Poeta de Campo Mourão


Rubens Luiz Sartori de Campo Mourão

Notabilizou-se por suas inúmeras peças jurídicas escritas com o rigor e a precisão que exigem os rituais forenses, porém, em forma de Poesia bem humorada. Na maioria dos casos requeria arquivamento de processos abertos contra pessoas humildes. Vejamos algumas de suas pérolas jurídicas.

1

Autos de Inquérito nº 285/94 - 1ª Vara Criminal
Ladrão de quentão e Tubaína 

Meritíssima Julgadora:

Contém neste relatório,
a notícia furtadora
de garrafas de bebida,
cujo valor é irrisório
e não merece guarida.

O pouco valor constatado
nem de longe o incriminou,
vez que o indiciado é enteado
da pessoa que o denunciou.

Fala-se num botijão de gás
que também fora furtado,
mas nada tinha o rapaz
e nada com ele encontrado.

Dois quentões, duas tubaínas,
não permitem acusar,
pois são bebidas baratas
de consumo popular. 

Não há como denunciar
e movimentar esse poder,
por míseros cinco reais
não vale a pena escrever.

O fato de ter sido preso,
num flagrante desrespeito,
demonstrou muito desprezo
e já humilhou o sujeito.

A polícia, infelizmente,
tomou tudo por escrito,
fez subir aqui pra gente
esse dossiê esquisito.

O certo pra esses casos,
num juizado arbitrário,
seria uma advertência na hora,
num julgamento sumário.

O que nos reserva a vida:
vinte anos de função,
ver um sujeito indiciado,
por tubaína e quentão.

Por isso eu peço à senhora,
me entenda e evite a demora,
processar sem fundamento.
Compreenda que foi desforra,
do padrasto com tormento,
e como não há justa causa,
remeta ao arquivamento.

Este caso foi encerrado e arquivado.
***



Autos de Inquérito nº 225/96 - 1ª Vara Criminal



O acusado, Oscar Ortigara dirigiu-se, na tarde de 18 de outubro de 1995, até a propriedade do deputado Nelson Tureck, às margens da Usina Mourão, em visível estado de embriaguez, quando disparou, para o alto, dois tiros de espingarda e proferiu palavras de baixo calão contra o deputado, de quem é desafeto por razões políticas.

Tiraiada - MM. Juiz:

O fato foi dia dezoito de outubro,
mês de eleição;
numa tarde bem brejeira,
descansar era a intenção.

Pescava o nobre deputado,
em seu barco, com os amigos,
no lago da Usina Mourão,
tranqüilos e sem alaridos.

Eis que chega o desafeto,
seu amigo companheiro,
já bem alto do boteco,
gritando e arruaceiro.
Parando sua caminhonete,
o denunciado bradou:
"venha aqui seu desgraçado...",
e dois tiros disparou.

Como disse Nelson Tureck,
foi pra cima a tiraiada,
e ele feito moleque
ficou torcendo por mais nada.

Tão logo que disparou,
o denunciado fugiu;
bem borracho ele voltou
pro lugar onde saiu.

Tomadas as providências,
o inquérito se iniciou,
mas o acusado, prudente,
a tentativa negou.

Aliás, há de se registrar
um inquérito bem montado,
com fotos e bom relatório,
pois a vítima é deputado.

Na tentativa de morte,
não posso aqui acusar,
pois atirar para o alto
não pode ninguém matar.

Portanto, a coisa é ladina,
mas nada de comoção;
o procedimento de rotina
é o tipo: contravenção.

Contravenção de disparo,
em habitado lugar,
no art. 28, equiparo
o ato de detonar.

Então o que se há de fazer,
com os tiros do vagal?
Se não este remeter
ao Juizado Especial!

A Lei é a 9.099,
que surgiu para abreviar
os casos de pouca monta
pra rapidinho julgar.

Assim descrito, Excelência,
só vejo um itinerário,
seguir este à ciência
ao Juizado sumário.
*** 

3
APOSENTADORIA

Excelentíssimo senhor
Doutor Gilberto Giacota,
digno geral-procurador,
onde o 'parquet' se apóia:

Venho por meio desta,
à augusta procuradoria;
chapéu tapeado na testa,
pedir a aposentadoria.

Cumpri minha sina gaudéria,
fui promotor trintenário.
Sempre esclareci a matéria.
Sempre cumpri meu horário.

Comecei nos anos setenta,
com a máquina manual,
sem ter telefone, nem fax,
faltava até material.

Iniciei por Marialva;
não conto nada por prosa.
Trabalhei em São Jerônimo,
fui o primeiro de Barbosa.

No começo dos oitenta,
eu fui pra Engenheiro Beltrão,
lá eu fiquei por três anos,
e mais de quinze em Campo Mourão.

Em tom de despedida

Campo Mourão, com amor,
abrigou-me desde piá:
de açougueiro a promotor.
Os meus ossos guardará.

Termino aqui em Maringá,
boa terra onde me formei;
meu filho hoje cá está,
no Direito que lhe ensinei.

Para minha filha caçula,
que dos dezoito já passou,
e vai ser Engenheira Química,
a minha benção a ela dou.

Agradeço à minha Jussara,
esposa de bom coração.
Ao seu lado tudo sara,
até a dor da ingratidão.

Ao meu pai, o seu Gastone.
À minha mãe, a dona Olga.
Como som de gramofone,
Casal simples, mas que empolga.

A minha beca desbotada
foi a estola de meu centro;
quanta vez saiu suada,
dos debates noite adentro.
Sai bem rota, mas honrada.

Continuo no magistério,
lecionando na Fecilcam;
ensinando, sem mistério,
o alunado da Comcam.

Sei que é cedo pra ir embora,
mas eu já estou de tardezinha.
Fiz da minh'alma minha espora,
pra cavalgada que é só minha.

Vou-me apenas pra mais perto,
dos meus dias nesta terra.
E saio firme e mui esperto,
para o só meu tempo de espera.

Sempre fui do interior.
Nunca corri em promoção.
Fiz carreira um penhor:
"Ser promotor com paixão".

Deixo o cargo consciente
de que não fui muito brilhante;
porém, sempre independente;
jamais fui inoperante.

Devo tudo o que eu sou
à nossa Instituição;
"até sempre" e a Ela dou,
minha eterna gratidão.

Ao meu Ministério Público,
não desejo dizer adeus.
Quero, e o coração em júbilo,
rogar-lhe a bênção de Deus.

Obrigado, meus colegas,
do trabalho e da verdade;
sempre tenham deste amigo
o respeito e a amizade.

E assim descrito, Excelência,
singelo, e sem rebuscamento,
dê-me ir-me com decência;

dê-me, enfim, deferimento.

 
Rubens Luiz Sartori sentenças em versos
o0o

Veja também:
http://wibajucm.blogspot.com.br/2016/06/promotor-poeta-de-campo-mourao.html