27/06/2015

Lendas e Mitos de Campo Mourão - Erva Mate - 02




Lenda da Erva Mate
 
Flor e árvore da Erva mate era abundante em Campo Mourão

Meu avô Rodolfo, pai do meu pai Ville, gostava demais de chimarrão que ele mesmo preparava como ninguém. Uma bela manhã, na hora do mate, ele me contou que: "toda tribo tinha partido para a guerra, mas um idoso Guarani ficou pra trás, no morro do Erval, lamentando-se por ter que ficar, olhou triste os jovens guerreiros seguirem animados á luta.
Lembrou-se o quanto foi valente quando moço e chorou mais ainda, contemplando-se fraquejado.
A filha Yari era sua única alegria. Recusou muitos pedidos de casamento, até do cacique, a fim de ficar ao lado do amado e arquejado pai.
Certo dia chegou, na tapera do velho Guarani, um viajante claro, alto, com roupas brancas até os pés, olhos da cor do céu e disse chamar-se 'Thomé.'
O velho índio logo percebeu que o homem vinha de longe e o recebeu com muita amizade, enquanto a linda Yari foi buscar os melhores frutos da floresta, o mel mais doce e a água mais pura, e alimentou Thomé.
O cansado guerreiro, com os olhos cerrados, forçava a mente, para lembrar-se melhor das histórias de um mundo afastado no tempo; contou passagens gloriosas de sua mocidade ao calmo visitante. Fez de tudo, e conseguiu fazer,  que as horas passadas pelo estrangeiro naquela tapera, lhe fossem agradáveis.
No outro dia, sol nascente no horizonte, o viajante já estava pronto para partir. Dirigiu-se então ao gênero índio e disse:
- Você é pessoa muito boa. Merece ser recompensado. Eu sou um mensageiro de Tupã, espírito do bem. Pede o que quiseres e eu te darei!
- Nada mereço pelo que fiz, bom senhor! - respondeu o Guarani - mas gostaria de ter um companheiro para que minha filha possa casar, formar família e me dar corumirins que animem minha velhice!
O mensageiro de Tupã sorriu. Em sua mão brilhava uma pequena planta repleta de folhas viçosas e bem verdes, que entregou ao velho e disse:
- ”Plante e quando elas crescerem, beba a seiva destas folhas que você terá o companheiro de Yari e os netos que tanto deseja. Esta erva traz a força de Tupã e conforto a todos os homens de tua tribo. E Yari será a protetora dela. As caminhadas de guerra serão menos cansativas e os dias de descanso mais felizes,” e lá se foi, o santo branco. 
"E desde então, Caá-Yari é senhora dos ervais e deusa protetora dos ervateiros." finalizou meu avô, Germano Francisco Rodolfo Bathke, que é nome de rua no Jardim Santa Cruz.
Interessante que, lendo as descrições físicas de São Thomé, parecem muito com as de meu avô, até os olhos azuis e o gosto pelo amargo chimarrão de fazer doces amigos felizes.


      
A colheita de Erva Mate era  abundante em Campo Mourão
 
#