21/03/2014

Edmundo Alberto Mercer e Campo Mourão

 

 
Edmundo Mercer cruzou Campo Mourão

Edmundo Alberto Mercer, filho de Herbert Harrison Mercer e Maria de Sá Mercer, nasceu em 1° de outubro de 1878 na Fazenda Santo Antonio, em Tibagi-PR, e morreu em 3 de outubro de 1938, vitimado por um colapso cardíaco, dentro de sua casa. Foi sertanista, agrimensor, topógrafo, jornalistapolítico e um dos demarcadores das linhas mestras do antigo sertão mourãoense e da Estrada Boiadeira, juntamente com os engenheiros: Carlos Coelho Jr e Manoel Mendes de Camargo, além do pioneiro João Rodrigues Monteiro (João Bento) feitor da turma de trabalho (arigós).

Edmundo Mercer completou seus estudos e o curso de Humanidades, em Curitiba.Exerceu atividades de Comissário de Terras, confeccionou mapas das regiões inóspitas dos sertões de Tibagi, de Campos do Mourão e do Noroeste do Paraná. Realizou levantamentos topográficos nas proximidades do extinto Salto de Sete Quedas na região de Guaíra e em região inexplorada do sul de Mato Grosso, na divisa com o ParanáNa função de agrimensor, desbravou os sertões do centro-oeste e do noroeste do Paraná, com suas pesquisas e relatórios publicados nos jornais: A República, Diário da Tarde, Comércio do Paraná de Curitiba, Diário dos Campos de Ponta Grossa, entre outros. 
Realizou vastos estudos sobre criação e manejo de gado nos campos gerais, nos cerrados de Campos do Mourão e de Mato Grosso do Sul.
Combateu, com tenacidade, em campanha pela imprensa, o trabalho escravo de operários ervateiros e empregados em madeireiras nas matas paranaenses. Suas críticas nos jornais ecoaram em diversos periódicos das principais cidades brasileiras, e repercutiu na câmara federal, na capital do Brasil de então, Rio de Janeiro.

Edmundo Mercer (também conhecido como Toca Mercer) foi prefeito do município de Tibagi–PR, onde realizou inúmeras obras, das quais algumas perpetuaram-se até os dias atuais.
 
Praça Edmundo Alberto Mercer, em Tibagi-PR

Entre as inúmeras homenagens memoriais prestadas ao sertanista paranaense, encontramos uma na capital paranaense, uma em Campo Mourão e outra em sua terra natal. No bairro Tingui (Curitiba) e em Campo Mourão encontramos as ruas Edmundo Mercer e em Tibagi, a principal praça é denominada Edmundo Mercer que têm, em seu entorno, a Igreja Matriz Nossa Senhora dos Remédios e o paço municipal "Palácio do Diamante."


O cidadão tibagiano foi comerciante, produtor rural e na vida política desempenhou papel de vereador e prefeito em sua terra natal. Mas foi por sua habilidade e conhecimentos técnicos na exploração de áreas inabitadas, medi-las e demarcá-las, que Toca Mercer chefiou, há mais de 100 anos, uma diligência pelo interior do Paraná.

Com base em documentos e fotos do acervo do Museu Histórico Desembargador Edmundo Mercer Júnior (filho), e no livro escrito por seu outro filho Luiz Leopoldo Mercer (Edmundo Alberto Mercer / Toca Mercer, um livro para nós) editado em 1978, relata que a viagem "foi iniciada em 10 de abril de 1910, em comitiva formada por 30 homens." A expedição seguiu por sertões desconhecidos do Paraná sob encomenda da empresa Colle, Weiss & Cia, a fim de construir uma ligação entre os estados do Paraná e de Mato Grosso, desde seu início conhecida por Estrada Boiadeira, que atravessa Campo Mourão há mais de 100 anos.

 


O grupo partiu rumo ao Rio do Peixe ou Ubazinho (Rio Ivaí), onde Toca Mercer começou os primeiros estudos técnicos; a estabelecer demarcações e mapas da terra devoluta.
Naquele início de século, Edmundo Alberto Mercer abriu, durante dois anos, as picadas em meio a mata virgem nos primeiros levantamentos topográficos e o início da penetração de pioneiros na exploração da região. 

 

Foi a primeira entrada e reconhecimento da terra bruta do Vale do Ivaí-Piquiri até as barrancas do Rio Paraná e do Iguaçu. Com breves idas e vindas à sua cidade, Toca enfrentou o trabalho desde 1910 até junho de 1912. 
Da sua equipe de trabalho participaram os sertanistas: João Rodrigues Betim (João Páscoa), Eutício Maria Pardo, João Justino dos Santos, Justino Pontes (aguateiro), Félix das Dores Lopes (Nhô Félix, cozinheiro), José Lacerda, Salvador Lemes, Amador Delgado Carlos Coelho Jr (engenheiro-fotógrafo), o guarapuavano Manoel Mendes de Camargo, engenheiro responsável pelo traçado e abertura da Estrada Boiadeira e Francisco Caetano Pinto (estafeta). Dessa comitiva só não regressou Amador Delgado, que morreu na mata, vítima de malária (febre amarela).

   

A profissão de agrimensor, que na época ainda não era registrada, surgiu com ensinamentos práticos recebidos de seu tio Frederick Mercer e amigos estrangeiros. No livro sobre a história de Toca Mercer, seu filho declara que o pai "estudava de forma autodidata e tinha muito conhecimento também em medicina e farmacologia."
Durante a expedição são várias as cartas, escritas pelo desbravador, que receitavam remédios à sua filha adoentada. Em 16 de abril de 1910, já acampado próximo ao Salto das Ariranhas, no Rio Ivaí, e preocupado com a saúde e a vida escolar dos filhos deixados em Tibagi enviou, por carta, receita de um tônico ferruginoso a ser aviada na farmácia, por seu irmão Leopoldo, e ministrado às filhas com a recomendação de que "fossem assíduas às aulas”, pedido este que reiterava em todas as cartas que escrevia à família, pois estudar, no seu entender, era prioridade na vida. 


Durante o trajeto, que tinha o comando de Santiago Colle, 'Cavaliere Ufficiale d'Italia', titular da firma concessionária da Estrada Boiadeira e amigo pessoal de Toca, recebeu dele a missão de coordenar a trilha. Em 1° de maio assumiu o controle total da turma do serviço, no km 7, rumo a Campo Mourão. 


No livro sobre Toca Mercer, a página 59 traz a notícia mais triste sobre a excursão. “A 20 de novembro faleceu em Tibagi, vítima de erisipela, sua mais nova filha Yolanda, fato que o obrigou a voltar à cidade e que o deixou muito abalado, regressando ao serviço com muita mágoa”. O livro também reproduz nas cartas, viagens a cavalo até Foz do Iguaçu, Mato Grosso, Paraguai e Argentina. “As terras são inferiores e a conclusão é lógica, pois em clima quente como esse, abundante em águas e chuvas, a floresta sendo enfezada é porque a terra não é boa... Toda a mata que atravessamos é de terra vermelha sem um grão de areia”, escreveu Toca Mercer. 

Leopoldo indica que “finalmente, a 1° de junho de 1912, depois de dois anos de trabalho e de sofrimento físico e moral, com muita alegria e admirável precisão, Toca chegou à barranca do Rio Paraná, que era sua meta, de onde escreveu jubilosa carta comunicando seu encontro com os índios Caiuás, semicivilizados, com os quais conseguiu canoas usadas (pela expedição) naquele rio”.
As experiências da expedição pelos sertões do Paraná reafirmaram em Edmundo o espírito socialista. De retorno de sua missão, passou a viver em Ponta Grossa com sua família. Tornou-se por fim jornalista no Diário dos Campos, colunista sob o pseudônimo 'Um Paranaense' que denunciava invasões de propriedades e a 'escravidão branca' por indústrias madeireiras. Também foi colunista do Diário da Tarde em Curitiba e do jornal A República.

Assumiu cadeira no Congresso Legislativo do Paraná em 1929, onde foi deputado pelas regiões de: Castro, Tibagi e Ponta Grossa. Na falta de advogados no Fórum da Comarca de Tibagi, era comum Edmundo Mercer ser nomeado Juiz de Direito e defensor dos réus ali processados.”

Em 1835 nascia uma tecnologia que revolucionou a comunicação telegráfica no mundo. Usados na transmissão de mensagens gráficas a partir de códigos, os telégrafos abriam naquela época um canal de diálogo instantâneo e inovador. Mas, somente 90 anos depois é que o invento dos americanos Joseph Henry e Samuel Morse, chegou a Tibagi, um acontecimento que ficou registrado na história da cidade. A implantação da linha telegráfica entre Castro e Tibagi começou em 1925. No ano seguinte, a Câmara de Vereadores autorizou o prefeito a auxiliar a construção da linha e em 14 de julho de 1926, com pompa e muita comemoração, foi inaugurada a Agência do Telégrafo Nacional junto ao posto de Correios. 
Testemunharam a solenidade, da esquerda para a direita: o prefeito Leopoldo Leonel de Sá Mercer, agrimensor Edmundo Alberto Mercer, coronel Frederico Martins, Generoso Borges, João José Mercer e Ernesto Kugler Sobrinho. 

Imagens de Tibagi-PR, 
terra natal de Edmundo Mercer:


  
    
  
 
O famoso Canyon do Guartelá - Tibagi-PR
-------------------------------------------------