07/10/2013

POVOAÇÃO DE CAMPO MOURÃO

 POVOAMENTO DE CAMPO MOURÃO 

EM 25 DE SETEMBRO DE 1893, UM GRUPO DE GUARAPUAVANOS (DENTRE ELES UMA ÚNICA  MULHER: LAURIANA DE PAULA MARCONDES) REQUERERAM A POSSE DE 60 MIL HECTARES DE TERRA DA REGIÃO, MAS NÃO VIERAM MORAR NOS CAMPOS DO MOURÃO.
O PRIMEIRO QUE SE FIXOU, DE FATO, FOI JOZÉ LUIS PEREIRA QUE DEPOIS DE IDAS E VINDAS, DUAS ERRADAS DE RUMO PRÁ CHEGAR AOS CAMPOS DO MOURÃO, FINALMENTE, DIA 16 DE SETEMBRO DE 1903, VEIO DE MUDANÇA, FEZ CASA E MOROU NA REGIÃO DO SANTA CRUZ, À MARGEM DIREITA DO RIBEIRÃO 119.
FOI  EM 1903 QUE, EFETIVAMENTE,  COMEÇOU O POVOAMENTO, COM A FIXAÇÃO DA FAMÍLIA PEREIRA NOS  CAMPOS DO MOURÃO.
ANTES, COMEÇO DE 1900, FOI ABERTO UMA ESTREITA PICADA DE PITANGA ATÉ  CAMPOS DO MOURÃO. FOI POR AÍ QUE VIERAM OS PEREIRA, OS CUSTÓDIO. DEPOIS OS DE PAULA XAVIER, A FAMÍLIA WALTER E TOMARAM POSSES DE TERRA DEVOLUTA NO SERTÃO DO CENTRO OESTE DO PARANÁ.
EM 1906 JÁ TINHA UMAS 100 PESSOAS – ESPALHADAS - QUE MORAVAM PELOS CAMPOS DO MOURÃO, ENTRE AS BARRANCAS DO PIQUIRI E DO IVAÍ.
FOI EM 1906, PELA PICADA QUE CHEGOU, TAMBÉM, O PRIMEIRO PADRE (VEIO A CAVALO, DE GUARAPUAVA). FOI O PADRE FRANCISCO VENDDER QUE REZOU A 1a MISSA NA SANTA CRUZ (CRUZEIRO DE CEDRO0, FEZ BATIZADOS E CASAMENTOS. FOI UMA FESTA NO DIA DA SANTA CRUZ, 8 DE MAIO.
AINDA, EM 1906, FOI INICIADA A ABERTURA DE OUTRO PICADÃO, BEM MAIS LARGO QUE IA DE GUARAPUAVA, PITANGA, CAMPOS DO MOURÃO ATÉ O RIO PARANÁ NO SUL DE MATO GROSSO. COMEÇOU A SER ABERTO EM 1906 E FOI CONCLUÍDO EM 1910, E LHE FOI DADO O NOME DE “ESTRADA BOIADEIRA” PORQUE ERA POR ESSE CAMINHO QUE OS BOIADEIROS DE GUARAPUAVA TRANSITAVAM COM SUAS BOIADAS.
DEPOIS DE ABERTA A ESTRADA BOIADEIRA SE VENCIA OS SACRIFÍCIOS COM MAIS FACILIDADE. 
ASSIM, A PARTIR DE 1910, CHEGARAM AS FAMÍLIAS DE JORGE WALTER E AMÉRICO PEREIRA PINTO. OS CUSTÓDIO E OS PEREIRA JÁ ESTAVAM FIXADOS NOS CAMPOS DO MOURÃO. MORAVAM TODOS LONGE UNS DOS OUTROS. NEM SE IMAGINAVA ONDE SERIA TRAÇADA A CIDADE. TAMBÉM VEIO, FOI E VOLTOU GUILHERME DE PAULA XAVIER, QUE TINHA POSSE DA FAZENDA SANTA MARIA (REGIÃO DA CAMA PATENTE E RIO SÃO JOÃO).
JORGE WALTER – O RUSSO – ENTROU NA GLEBA SÃO DOMINGOS QUE TINHA REQUERIDO NO CARTÓRIO DE GUARAPUAVA. FICOU CONHECIDA COMO A  “GLEBA DOS WALTER” NA REGIÃO DA ESTIVA, PRANCHINHA (KLABIN), LADO DIREITO DA  ESTRADA SENTIDO CAMPO MOURÃO/RONCADOR  (BR-158). VEIO COM UMA TROPA DE ANIMAIS TRAZIDA PARA A REGIÃO, TOCADA DESDE GUARAPUAVA: 654 VACAS E BOIS, 48 CAVALOS, ÉGUAS E MULAS, ALÉM DE 15 CARGUEIROS DE SAL GROSSO. A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DOS PIONEIROS ERA O SAL TANTO PARA SÍ COMO PARA O GADO.
TRAZIAM TAMBÉM SEMENTES PARA FAZER ROÇAS, PRINCIPALMENTE, DE MILHO E FEIJÃO, MANÍVIAS DE MANDIOCA E DE CANA DE AÇÚCAR. PRATICAVAM  A CHAMADA ECONOMIA DE SOBREVIVÊNCIA QUE FUNCIONAVA NA BASE DA TROCA  (BARGANHA).
NESSE TEMPO O QUE VALIA OURO ERA A RAPADURA, LARGAMENTE USADA COMO MOEDA DE TROCA NAS CASAS DE COMÉRCIO DE PITANGA E GUARAPUAVA, ONDE OS PIONEIROS IAM TROCAR MERCADORIAS E O DINHEIRO ERA A RAPADURA.