01/11/2011

Pedro Viriato primeiro prefeito de Campo Mourão

   

 
Campo Mourão 1947 - Pedro Viriato de Souza Filho - PSD 
eleito prefeito com 230 votos

Em meados de 1947 o curitibano Pedro Viriato de Souza Filho era safrista de porcos em seu sítio no Rio da Várzea. Vivia só em Campo Mourão, com a esposa adoentada em Curitiba. Dentre os amigos que o ajudaram a se estabelecer, destacavam-se: Francisco Ferreira Albuquerque (tio Chico) e Antonio Teodoro de Oliveira (seu Antoninho).
Ambos souberam, pela Rádio PRB-2 de Curitiba, que o governador Moysés Lupion estava prestes a criar 31 novos municípios pelo interior do Estado do Paraná. Diante da notícia visitaram seu Pedro Viriato no rancho do Rio da Várzea e o colocaram a par dos fatos. Mas, as visitas não foram apenas dar a notícia e, sim, praticamente ‘intimar’ o curitibano Pedro Viriato a visitar o governador e lhe solicitar, também, a emancipação de Campo Mourão, que nesta época só tinha quatro ou cinco casas e a igreja em construção, em torno da quadra da praça . O ponto de reunião dos poucos companheiros, era a casa e armazém de Francisco Albuquerque, na Lage Grande, á margem esquerda do Rio do Campo (Bica).
"A força de vontade da turma, mais o apelo de Francisco Albuquerque e Antonio Teodoro, me fizeram seguir a Curitiba, no dia seguinte, onde tomei conhecimento de que o projeto já tinha passado em primeira discussão na Assembléia Legislativa. Não havia tempo a perder e, assim, na manhã seguinte fui diretamente ao Palácio e tive a sorte de conseguir uma audiência imediata com o Governador Moysés Lupion que eu conhecia, mas com quem não tinha intimidade.Conversamos sobre o assunto e ele disse "que ainda não tínhamos possibilidades e eu dizia o contrário."

Pedro Viriato argumentou que, diariamente, muitas famílias entravam pelo sertão da região, com suas mudanças e estavam se fixando na terra. Disse também que: ‘a distância de Campo Mourão‑Pitanga era muito grande afim de se tratar de qualquer ato administrativo ou judiciário, e que o Município (Pitanga) não dava nenhuma atenção ao Distrito (Campo Mourão).'

"De repente um cidadão que havia entrado, sem que eu notasse, disse ao Governador: “o que esse homem pede é impossível, só daqui uns dez ou quinze anos pode‑se pensar nisso”. Levantei como picado por uma cobra e respondi com violência, perguntando‑lhe se conhecia Campo Mourão, ou achava que eu estava mentindo ?!

O Secretário se retirou, continuamos a conversa e o Governador fez  umas perguntas:

­ - Você veio com o apoio total dos seus companheiros?
­ - Sim Senhor, respondi‑lhe.

­ - Eles confiam em você e você neles?
­ - Sim Senhor.

­ - Se você for candidato a Prefeito, tem possibilidade de se eleger?
 -­ Absoluta, mas desejo que seja Francisco Albuquerque, é paranaense como eu, mais antigo em Campo Mourão, comerciante e tem inúmeros amigos e compadres.
­ - Quem está pedindo e garantindo as possibilidades é você, disse o Governador, portanto se você for o candidato vamos pensar nisso.
­
- Governador, o Senhor pode fazer o favor de mandar parar o projeto por uns dois dias e me dá esse prazo para resposta?

Ele concordou. Nessa tarde me virei atrás de um teco‑teco que consegui com a BOA (Brasil Organização Aérea). Passei um rádio por intermédio do Palácio até Peabiru, e avisei minha ida a Campo Mourão. Os companheiros já esperavam e dei‑lhes detalhes da audiência. No dia seguinte voltei a Curitiba com Francisco Albuquerque que apresentei ao Governador na qualidade de nosso líder, dizendo‑lhe que a turma havia ficado na maior satisfação e que os representantes da UDN (União Democrática Nacional) e do PR (Partido Republicano) garantiram que não lançariam candidatos a prefeito e o nosso PSD (Partido Social Democrático) teria candidatura única.

No dia 10 de Outubro de l947, o governador criou o Município de Campo Mourão e nomeou prefeito-interino, o dentista José Antonio dos Santos, A eleição realizou-se dia 15 de Novembro de 1947, e elegeu vereadores e o prefeito Pedro Viriato de Souza Filho – candidato único, pelo PSD, com 230 votos.

 
BR-158 - Campo Mourão/Roncador -
Quando chove o barro dificulta. 
Em dias de sol a poeira toma conta de tudo.

'Quando assumimos, tivemos grandes dificuldades. O Município recém criado ia do rio Ivaí ao Piquiri e do rio Muquilão ao Paraná, sem nenhuma estrada mais do que a péssima que nos ligava a Pitanga (BR-158).
Não tínhamos escola nem atendimento sanitário. Não tínhamos nem verba, só boa vontade e dedicação dos companheiros que ajudavam resolver a situação. Diversas vezes tivemos que recorrer ao Governador Lupion, que sempre com a maior boa vontade nos ajudou.'

 Da união e do esforço daqueles bravos companheiros quero citar dois fatos:
Primeiro: quando informado da existência de um motor a diesel, encostado em São Mateus, fui pedir ao Governador esse motor, para instalarmos luz na sede, fiquei surpreso com a resposta: 
- Não Prefeito, aquele motor não serve para vocês ‑ pensou um pouco e continuou ‑ estou informado que perto da sede tem um salto capaz de produzir força suficiente para instalação de uma Usina Hidroelétrica, eu vou mandar verificar. 
Passados alguns dias recebemos um rádio que marcava a data do lançamento da pedra fundamental da Usina.'

 
1950 - Lupion anuncia a futura 
Usina de Campo Mourão 

Segundo: Na vinda a Campo Mourão, do Brigadeiro Geraldo Guia de Aquino, nasceu a ideia de um campo de aviação e inclusão na rota do Correio Aéreo Nacional. O Campo do Gavião foi logo inaugurado pelo Brigadeiro Aquino, feito em três dias e meio de serviços realizados por  400 voluntários mourãoenses. 

 
Gov Moysés Lupion e o prefeito Pedro Viriato
no Bosque das Copaíbas, em Campo Mourão

"Meses depois correu a notícia de uma reforma judiciária no Estado, segui a Curitiba afim de pleitear também a nossa Comarca. Apenas comecei a conversar com o Governador Moisés Lupion, quando ele fez um sinal com a mão e eu parei de falar, e ele disse: “na reforma judiciária pretendida, já está incluído Campo Mourão, pode voltar e dizer aos nossos companheiros que é um ato de justiça e que Campo Mourão será Comarca quando for aprovada a reforma judiciária”.

'Dos bravos companheiros que tanto nos ajudaram, sinto a falta dos que já partiram: Francisco Albuquerque, Antonio Teodoro de Oliveira, Devete de Paula Xavier, José Antonio dos Santos, Eugênio Zaleski, Guadaniuk, Miguel Scharan, Narciso Simão e Daniel Portela.'

"Não terminei o meu mandato, porque, numa sexta‑feira de agosto de 1950, recebi um rádio do Chefe da Casa Militar do Governador, dizendo que ele me esperava no dia seguinte, sem falta. No sábado, ao meio‑dia, cheguei em minha casa em Curitiba e minha filha, ao me receber disse que já tinham telefonado por três vezes do Palácio perguntando se eu já havia chegado. Enquanto isso, o telefone tocou e atendi. Era o Cel. Crespo. Disse que estavam ansiosos pela minha presença. Ao chegar no Palácio vi a presença de todos os Secretários de Estado e diversos Deputados, aos quais o Cel. Crespo deu um sinal para que nos seguissem ao Gabinete.
Fui recebido pelo Governador Lupion que me abraçou, dirigiu‑se a todos os presentes e disse: “apresento aos meus amigos e auxiliares, o meu novo Diretor do Departamento das Municipalidades”.
- Governador, disse eu, não é possível, eu não aceito, esse cargo é um cargo técnico, é um cargo de Engenheiro e, além do mais eu ainda tenho um ano e cinco meses de Prefeitura em Campo Mourão.
Ele me respondeu, por partes: Campo Mourão já é uma criança que anda com passos firmes, rumo a um caminho de progresso e independência. Fiz tudo que vocês pediram, mas agora são trinta e dois Municípios do Estado que pedem a sua colaboração, precisam de um homem capaz de fazer cumprir os 32 compromissos que eu tenho com os Municípios do interior e só o amigo, um homem de capacidade como você, poderá realizar, e quanto aos técnicos, aqueles que você precisar requisite e eu os colocarei à sua disposição."

Não teve outro jeito, ele virou‑se para o Secretário de Governo e disse “leia o termo de posse de nosso Diretor e vamos assinar.” 

Depois disso voltei a Campo Mourão para transferir ao Presidente da Câmara o cargo de Prefeito, aí terminou, definitivamente, o meu mandato.  

  
O primeiro prefeito eleito de Campo Mourão - 15 de Novembro de 1947 em sua última visita à esta cidade, dia 2 de Setembro de 1978. 

Vecchi recepciona Pedro Viriato em Campo Mourão

Pequena homenagem:
Avenida Prefeito Pedro Viriato de Souza Filho
Jardim Tropical I - Campo Mourão – CEP 87310-250

 
A esquecida BR-158 atravessa o Brasil
sobre a antiga trilha do Pe abe y u

Texto baseado em narrativa de Pedro Viriato e Pedro da Veiga