05/07/2011

Cinema na Praça e Campo do Gavião



Na década de 40, vez ou outra, pousava em Campo Mourão um avião (Curtis) do Correio Aéreo Nacional, pilotado pelo coronel aviador da FAB, Geraldo Guia de Aquino. Trazia novidades e projetava filmes da época na descampada praça da cidade.

 
Correio em Campo Mourão

Campo do Gavião - Aviões como este e outros, começaram a pousar em Campo Mourão depois que as turmas voluntárias orientadas por João Bento, explanaram o terreno onde ainda está o Aeroporto Municipal Geraldo Guia de Aquino. Faziam derrubadas e destocas no machado, enxadão, e aplainavam a terra com enxadas.
Chico Albuquerque levava a turma pela manhã e a tarde buscava. Antes de retornar á cidade com o pessoal todo na carroceria, fazia várias idas e vindas sobre a pista, a fim de socar a terra fofa.

Da fáuna de Campo Mourão

O local ficou conhecido por Campo de Aviação do Gavião, dada a existência dessa ave em quantidade por ali. Era do tipo branca, com asas escuras nas bordas, que parava no ar batendo as asas por vários minutos a procura de caça (ratos, cobras, lagartixas). Localizava, dava um rasante veloz e raramente errava o bote.

 

Cinema em Campo Mourão

Cinema na Praça - Toda vinda do Cel Geraldo ele armava um cinema ao ar livre na descampada Praça 10 de Outubro (atual Getulio Vargas), pregava duas ripas nas laterais da carroceria de um caminhão, na parte da frente, esticava e prendia um lençol branco que servia de tela.
O projetor de filmes era movido a energia elétrica, mas Campo Mourão não tinha. Macaqueavam o caminhão até desencostar do chão. Colocavam uma correia no pneu e na polia do gerador de um motor estacionário, ligavam o caminhão, a geringonça girava e os filmes eram projetados (Charles Chaplin, Gordo e o Magro, Tarzan e documentários sobra a II Guerra Mundial) que estava no auge. Como a energia era alternada, não raras vezes travava os rolos e queimava a fita de celulose. Emendavam e continuavam. Muita gente ia ver, em pé, o tempo todo. Com medo de pegar fogo no lençol, um garoto ficava atrás da ‘tela” com um balde de água e umedecia o pano... chapiscava água com os dedos da mão, até terminar a sessão.