21/04/2011

Vila Rica do Espírito Santo perto de Campo Mourão



FUNDAÇÃO DE VILLA RICA DEL ESPIRICTU SANCTU

 
O que resta da fundação espanhola está nesse Parque

Em nossa última abordagem, sobre a História de Campo Mourão, falamos sobre as fundações espanholas e das 13 reduções jesuíticas na Província del Guayrá, que tinha seu ponto mais central na região dos Campos (Campo Mourão).

Duas destas vilas espanholas progrediram de forma organizada e produtiva: Ciudad Real (Guaíra) e a Villa Rica del Espirictu Sanctu (Fênix).

Esta última é a que mais nos diz respeito e teve duas fundações. A primeira em 1570 por Ruy Diaz de Melgarejo, a 60 léguas da Ciudad Real e, a segunda, em 1575, por Ruy Diaz de Gusmán, a 40 léguas mais adiante, na confluência dos rios Corumbatai e Ivai.

Encontro das águas do Corumbataí e Ivaí

Villa Rica foi assim denominada porque acreditava-se na existência de ouro e pedras preciosas na região, e do Espírito Santo porque foi fundada no primeiro dia de Páscoa (Pentecóstes).

O capitão espanhol Ruy dias de Melgarejo veio de Assunción com 40 homens e 53 cavalos carregados de mantimentos e munições, na primeira tentativa de se estabelecer em território do cacique Coaracyberá, à margem esquerda do Ivai, por trechos do Caminho do Peaberu, guiado por nativos guaranys.

Melgarejo partiu da Ciudad Real em fevereiro de 1570 e no mês de maio fundou Villa Rica. Mandou edificar uma Igreja e ao lado dela fincou uma grande cruz. Sob suas ordens foi construído um forte de madeiras, que media 260 por 30 pés.
Repartiu a terra destinada à construção de casas e distribuiu chácaras e índios mansos, aos colonos, afim de produzirem alimentos. 
Nomeou como alcáide (prefeito) Luiz Osório, amigo de Cabeza de Vacca, e destacou 24 arcabuzeiros (soldados) que garantiam a segurança e guarniciam o local.

Todavia o cacique Coaracyberá (coaracy= sol +  berá= brilho = brilhante como o sol) se opunha à invasão espanhola e com seus guerreiros guaranys começou a fustigar os moradores da Villa que, em 1575, já sob as ordens do capitão Ruy Diaz de Gusmán, levantaram acampamento e assentaram-se na foz do Rio Corumbatai com o rio Ivaí, na região de Fênix.

Villa Rica del Espirictu Sanctu situava-se no coração da Província del Guayrá, em lugar alto, povoado e fértil e, no início, tinha não mais de 100 habitantes europeus e milhares de nativos catequizados pelos jesuítas que chegaram à região somente em 1601 determinados a estabelecer as reduções missionárias.



A Villa Rica prosperou até 1629 quando os bandeirantes paulistas começaram a invadir a Província del Guayrá - domínio espanhol - e acabaram com as 13 reduções jesuíticas.
Villa Rica foi abandonada depois do cerco de vários dias, foi saqueada e queimada completamente no final do mês de agosto de 1632, pela tropa comandada por Antônio Raposo Tavares.

Centenas de anos depois, nas proximidades da extinta Villa, surgiu a povoação daquela região que deu origem ao Município de Fênix, 'ressurgido das cinzas."


Fênix vista do alto da Colina da  Capelinha

O Município tem sua população estimada em pouco mais de 5 mil habitantes. Uma área de cerca de 234 kilômetros quadrados, com a média de 22,30 habitantes por Km2 (IBGE).


Quem transita pela rodovia - sentido Quinta do Sol à Barbosa Ferraz - avista à direita a capela construída na época da Villa Rica, e à esquerda a entrada da cidade de Fênix


Lagoa no meio da Vila Rica protegida pelo Parque Estadual onde, acreditava-se, os jesuítas afundaram seus tesouros antes da fuga ao Paraguay. Antigamente alguns homens morreram na procura, vitimas de maleita, picados por nuvens de mosquitos da malária


Por quê Fênix ??

 

(clique sobre as imagens e amplie)



Wille bathke junior – 02/06/01
programa anísio dos santos morais
rádio colmeia.