23/04/2011

Ephigênio o Professor em Campo Mourão




Ephigênio José Carneiro

Ephigênio José Carneiro (o Fijo) nasceu em Porto União (SC), divisa do Paraná com Santa Catarina. Formado em Bioquíma pela Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, incentivado pelo seu pai Bonifácio Paes Carneiro, chegou a Campo Moiurão em 29 de julho de 1955.

Com Getúlio Vargas em Curitiba

O Ginásio - Seu pai sugeriu que o filho construísse escolas e principalmente uma de curso ginasial pois os estudantes mourãoenses tinham que se transferir a outras cidades a fim de fazer o ginásio.
No início do mês de agosto de 1955 começou a visitar os pais de alunos convidados a contribuir com 50 mil cruzeiros, em troca de uma nota promissória assinada por Ephigênio, que assim captou recursos financeiros e deu início à construção do Ginásio Campo Mourão, em uma quadra de terra doada pela prefeitura, próxima ao Estádio Municipal.

O conjunto foi edificado pelo seu pai, que era carpinteiro, com cinco salas de aula, biblioteca, laboratório, secretaria e diretoria. O fundador conta que a principal dificuldade a fim de funcionar o ginásio, foi a falta de professores capacitados. “Não tinha professor aqui. Então eu contei com advogados, engenheiros agrônomos e dentistas, para compor o quadro docente”, disse Ephigênio.

1957 Desfile e plantio de árvores na Praça Getúlio Vargas 
por estudantes do Ginásio Campo Mourão
 
1957 - A porta-bandeira Antoninha Gorri no desfile na Praça Getúlio Vargas
Ao fundo a velha rodoviária e o Bosque das Copaíbas de Campo Mourão

Mutirão - Geralmente à noite, alguns pais e alunos já matriculados iam à noite junto com o professor proprietário ajudar a montar as carteiras (bancos escolares). Aos sábados eram realizadas sessões cívicas na área coberta dos banheiros, onde se revelaram bons oradores estudantis. Incentivou os alunos a plantarem as primeiras mudas de árvores na Praça Getúlio Vargas e participava junto; estimulou a criação do Grêmio Lítero Esportivo Barão do Cerro Azul, a formação de fanfara e o primeiro desfile escolar em Campo Mourão.

1957 - Wille Bathke Junior, Ademar Batista de Melo e Antonio Carlos Zaramela (Botinha)
na Praça São José antes de ser urbanizada

Aprovado - No dia 22 de fevereiro de 1956, o Ministério da Educação promulgou a Portaria Ministerial nº 518, que autorizou o início das atividades. O Ginásio era dirigido pelo próprio Ephigênio José Carneiro que ministrava aulas de Inglês, sua esposa Áurea Carneiro (Canto Orfeônico) e mais os professores contratados: Iran Martins Sanches, Hains Ravache, Nicon Kopko, e outros que vieram depois, dentre os quais: Nilton Bussi, Horácio Amaral, Armando Queiroz de Morais, e Milton Luiz Pereira. Era vice diretor e também lecionava aulas, o professor Egydio Martelo, que depois foi o primeiro diretor do Colégio Estadual Campo Mourão.

Quase ao mesmo tempo, Ephigênio instalou o primeiro Labortário de Analises Clínicas em Campo Mourão - PR

Mais Escolas - Além do Ginásio, Ephigênio José Carneiro fundou a Escola Téncica de Comércio Santo Inácio de Loyola e o Mini-Ginásio 10 de Outubro, Ginásio Botelho Mourão berço da Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo, que iniciou como Fundescam, depois Facilcam, atual Fecilcam.


Discursou na implantação da Fundescam ao lado de Pedro da Veiga, prefeito Horácio Amaral, Bento Munhoz da Rocha Neto e Renato Fernandes Silva futuro prefeito

Investimentos - Com o Colégio Estadual implantado, acabram-se a Escola Normal e o Ginásio Campo Mourão. A quadra foi loteada e os terrenos vendidos à construção de casas residenciais, quando então Ephigênio investiu em terra e agriculura, sócio 150 da Coamo e passou a se dedicar excluvivamente as causas políticas, sociais, aos seus negócios particulares e ao laboratório de exames patológicos.

O Político - Foi eleito vereador pela primeira vez na quinta legislatura mourãoense e deteve quatro mandatos nos períodos de: 1964-1968/ 1969-1972/ 1977-1982/ e 1983-1988.

Milton Luiz Pereira e os vereadores Augustinho Vecchi, Augusto de Oliveira Carneiro (Pinhalão do Oeste), Alfonso Germano Hruschka, José Barbosa da Silva (Piquirivai), Paulo Geraldo Bastos (funcionário). Sentados: Ephigênio José Carneiro, Getúlio Ferrari e Fioravante João Ferri na 5ª Legislatura de Campo Mourão

Acamdoze - Em 1979 foi eleito pelos colegas, o primeiro presidente da então recente criada: Acamdoze -  Associação das Câmaras Municipais da Microrregião Doze – Acamdoze. Em 1989 exerceu o cargo de secretário da Educação, Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Campo Mourão.

Campo Mourão, posse do prefeito Milton Luiz Pereira 
5 de dezembro de 1963

O vereador Ephigênio fez a saudação ao prefeito Milton Luiz Pereira, em nome dos colegas, nas presenças do presidente da Câmara Rosalino Salvadori, Doraci Scorsato da Rádio Colmeia e ao fundo, o servidor Paulo Bastos

Na Socidade - Foi  incentivador e membro atuante do Movimento de Cursilhos da Cristandade da Diocese de Campo Mourão; um dos fundadores e sócio do Clube de Xadrez e do Conselho Comunitário de Campo Mourão, do Lions Club de Campo Mourão (presidente em 1976 e 1977; governador do Distrito L/21 (1993 a 1994), e de vice-governador da Região G (1987 e 1988). Também é portador do diploma de Cidadão Benemérito de Campo Mourão.

Ephigênio primeiro diretor do Ginásio Campo Mourão e o amigo Martello primeiro diretor do Colégio Estadual Campo Mourão, 50 anos depois.

Fijo e Aurita - belo casal de Campo Mourão
Exemplo de vida, união, amor e dedicação à familia e a Campo Mourão

Idosos - Ephigênio foi membro do Conselho Municipal do Idoso (Lei nº 1.230 de 14 de julho de 1.999) e participou da coordenação da implantação de política municipal voltada aos idosos. 
Periodicamente promovia o Jantar dos Pioneiros, nos encontros de confraternização e recordações das histórias de cada um, em Campo Mourão - PR.
 
Alcyr e Odethe no 10 de Outubro de Campo Mourão

A Bandeira - Criou e realizou a contento, o concurso da Bandeira do Município de Campo Mourão, com os modelos dos concorrentes expostos na entrada do Cine Plaza. A primeira bandeira (também por concurso) foi confeccionada a mão, pela professora e hábil costureira Odethe Iurk Schen, esposa da Alcyr Costa Schen funcionário da Coletoria Federal e grande desportista mourãoense.
Fijo liderou, com afinco e tenacidade a Campanha Antitabagismo, vício que abandou cedo; 'eu fui fumante e sei os males da nicotina, droga terrível e cancerígena que mata, aos poucos, os desavisados chupadores de fumaça - fumantes'. Estranhamente, faleceu vítima de câncer na próstata.

Bandeira oficial de Campo Mourão: 
"Ué, mudaram as cores da minha bandeira?"