22/03/2011

Campo Mourão - Entroncamento do Peaberu



Podemos imaginar o tronco e os ramais do Peaberu, como uma gigantesca árvore arrancada com as raízes.  O tronco seria o Caminho principal e as raízes os ramais. Ou podemos comparar a uma teia de aranha, com seu epicentro e as variantes por todos os lados.


Geograficamente, Campo Mourão situa-se no coração do Centro Oeste do Paraná e é sabido que concentra o maior entroncamento rodoviário do Sul do Brasil. Este fato podemos deduzir que deve-se à abertura, da maioria das estradas naturais, terem sido construídas sobre os traçados primitivos do milenar Caminho nativo.


O fator preponderante deste aproveitamento, pelos europeus, é que o Peaberu não tinha subidas ou descidas abruptas, pois contornava, com suavidade, os acidentes do terreno e seguia sempre próximo aos rios e regiões de caça abundante.


Acredita-se que o Caminho se formou e se expandiu sobre as trilhas primitivas de animais silvestres e posterior utilização destas trilhas, pelos ameríndios com o mesmo objetivo natural de sobrevivência: busca de locais que ofereciam alimentos e água, ao redor dos quais construíam suas aldeias. Quando o alimento escasseava, mudavam-se para outra região, enquanto o local, antes habitado e explorado, se refazia pelo processo natural.


O principal tronco do Peaberu, que cruza Campo Mourão, é a atual BR-158, a qual se inicia no litoral catarinense e termina na região de Guaíira. Este é um tronco do Peaberu que os pioneiros transformaram na primeira estrada entre os dois estados sulinos, até hoje não pavimentada.


Wille Bathke Junior.08 de Março de 2011