25/04/2017

Horácio de Campo Mourão, exemplo de prefeito

O advogado e prefeito, Horácio Amaral (31 de jan/69 a 31 de jan/73), trabalhou um ano pagando contas da Prefeitura de Campo Mourão. A partir de 1970 equilibrou as finanças municipais, engrenou a máquina administrativa, concluiu e inaugurou as obras do Mercado Municipal, construiu o Parque-escola Gurilândia. Edificou e deu o nome de Dom Bôsco ao principal Colégio Estadual do Lar Paraná. Implantou a Escola Estadual de Farol, depois de hábil manobra (disse ao governo que Farol era bairro e não distrito). 
Construiu os estádios de futebol de Piquirivai e Farol, dos quais seu nome foi apagado injustamente. Reformou completamente o Estádio Municipal Roberto Brzezinski, onde construiu vestiários (duas equipes e árbitros) e túneis em alvenaria. Instalou o sistema de água encanada e chuveiros e colocou as traves de ferro no campo de jogo.
Ampliou significativamente a malha asfáltica urbana e nunca teve problemas de buracos. 
Implantou as primeiras redes de esgoto e galerias pluviais, mesmo sabendo que: “obras enterradas não rendem votos”, costumava brincar. 
Construiu e inaugurou a atual Agência do Correio - ECT em Campo Mourão. 
Conseguiu, na Telepar, a instalação da grande novidade da época, que foi o sistema de Discagem Direta à Distância (DDD). 
Substituiu a ponte de madeira por concreto e pista dupla, sobre o Rio do Campo na saída para o Barreiro das Frutas, na qual estava fixada uma placa da inauguração com seu nome, projetada pelo engenheiro Élio Rodrigues de Matos, da Codusa. A placa sumiu e a ponte foi estreitada.

Nos últimos dois anos de seu governo, Horácio Amaral, reformou e inaugurou mais de uma dezena de escolas públicas e deu os primeiros passos no sentido de implantar cursos superiores com a construção e inauguração da Fundação do Ensino Superior de Campo Mourão (Fundescam depois Facilcam e Fecilcam) hoje solidificada em campus-avançado da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Isso lhe valeu o cognome de Prefeito-Escola.
Horácio nunca reclamou de crise e, sempre dizia: "não fale em crise, crie !!"
Horácio Amaral faleceu em acidente automobilístico, após seu mandato, em plena campanha a deputado estadual.