27/05/2016

Ucranianos em Campo Mourão/PR

 

 Histórico

 330 d.C. - A Ordem Basiliana é considerada como a mais antiga comunidade de vida religiosa existente no mundo, fundamentada nos ensinamentos de vida cristã comunitária propalados por São Basílio Magno, entre os anos 330 a 379 d.C. Nasceu no ano 4 d.C, em Cesaréia - Grécia, no seio de família que testemunhava grande amor por Jesus Cristo. 

Foi assim que o jovem Basílio Magno, apoiado pelo pai, recebeu a primeira formação religiosa. Já adulto, viveu algum tempo em Constantinopla; estudou retórica e teologia na capital grega (Atenas). Percorreu o Egito, a Síria, a Palestina e, com seu amigo Nazianzeno, iniciou a organização de uma comunidade monástica. Em Cesaréia, São Basílio, em 370 d.C, foi eleito bispo, sucessor de um dos apóstolos de Cristo. Nessa investidura concretizou diversas obras materiais, pois não era somente um pregador da sagrada palavra. Cidades de caridades foram fundadas por ele. Por fim, São Basílio Magno, legou à humanidade carente de fé, muitos escritos fundamentados nos ensinamentos cristãos. Em 379 d.C, faleceu.


1882 - Seus ensinamentos doutrinários estão presentes em várias cidades e países orientais e europeus, mas alcançou notoriedade nas igrejas da Ucrânia e Polônia, até que,  entre  1882 e 1904, as bases doutrinárias passaram por reformulações anunciadas pelo bispo José Benjamin Rutskei e por São Josafat, que incorporaram mudanças na Ordem Basiliana, então denominada “Ordem Basiliana de São Josafat”, mantida até os dias atuais.

1897 – Por volta do mês de junho, Pe. Silvestre Kizema, foi o primeiro missionário basiliano a chegar ao Brasil, onde enfrentou enormes dificuldades de recepção e adaptação, em Curitiba – PR, por falta de comunicação da sede européia com o bispado do Paraná. Ele escreveu uma longa carta onde relata, em pormenores, que o então bispo D. João Braga, não lhe deu permissão para exercer o sacerdócio entre os imigrantes ucranianos no Paraná. Também narra as condições de vida nos primórdios da emigração. “Cheguei em Curitiba no dia 21 de junho, às 7 horas da tarde, e no dia seguinte, antes do meio-dia, estive com o bispo. Qual foi a minha surpresa, quando vim, a saber, que não havia nem o telegrama do internúncio nem a carta de Roma. Antes que pudesse saudá-lo, o bispo me atalhou: “como não tens contigo a carta de recomendação de Roma, não posso aceitar-te; volta para a Europa e boa viagem!” O dinheiro estava no fim, pediu um lugar pra dormir e comer, mas também não foi atendido. “O sustento não me concedeu e eu tive de pagar hotel. Esperei ainda três dias em Curitiba, mas o telegrama (da minha indicação) não chegou. Todo esse tempo, várias horas por dia, o bispo me retinha em sua residência e de todas as maneiras procurava explicar que o rito grego (bizantino) era novidade no Brasil”, dizia que os brasileiros nunca o viram e o estranhavam... que os rutênios (ucrainos) vieram para cá onde domina o rito latino. “Em uma palavra: ele não queria admitir padres ucranianos no Brasil” deduziu. “No terceiro dia, sem ainda ter recebido o telegrama e não tendo mais com que pagar o hotel, retirei-me para o Abranches, a sete quilômetros de Curitiba, hospedando-me na casa do Pe. Niebiesczanski”, que viera  da Bélgica. No quinto dia chegou o telegrama do núncio, favorável ao Pe. Silvestre Kizema, o que obrigou o bispo a aceita-lo. “Decidi ir para Prudentópolis acompanhado de um sacerdote brasileiro”. No sexto dia as coisas tomaram outro rumo. “Veio uma carta da Propaganda endereçada ao bispo com a disposição de que eu devia assumir a missão ucraniana nas províncias do Paraná e Santa Catarina”, respirou aliviado. Foi designado o Pe. Rozdolskyi como seu coadjutor. “Aceitei de imediato a jurisdição que me foi outorgada, não mais me encontrando com o bispo. Segui o longo caminho, sem recursos e para viajar por aqui é muito dispendioso e complicado, porque é preciso seguir, às vezes de carroça, às vezes a cavalo, ou de trem ou atravessar rios, subir montanhas, descer precipícios e ravinas. Existem no Paraná mais de 30 mil ucranianos, mas escolhi Prudentópolis, porque o povo é muito pobre e totalmente abandonado. Fui recebido muito bem, mas encontrei uma realidade deprimente. Fiquei preocupadíssimo e não sabia se ficaria ou iria embora. Tenho de ficar ouvindo confissões por longos dias. Estou morando numa casa, junto com o cantor; quase não tenho ganhos, mas agora as ofertas estão crescendo. Os brasileiros me respeitam muito, propõem-se a garantir minha subsistência, contanto que eu não os abandone” falou feliz da sua estada em Prudentópolis que, nesse tempo, era uma colônia muito extensa de 40 milhas (65 km). “Não existem ruas e sim trilhas muito estreitas por onde passa só uma montaria por vez,  (de 5 a 7 milhas de extensão), no meio da mata, e somente no lombo do cavalo ou da mula é possível percorrê-las por semanas”, descreve os caminhos. “No inverno, de dia é quente e à noite cai geada... me incomoda muito o frio pois não há lareiras, nem janelas e as casas são de madeira, na verdade casebres", sem nenhuma vedação, descreveu, ao mesmo tempo que pediu ao padre provincial para que mandasse, pelo menos, mais quatro sacerdotes para ajuda-lo na missão de Prudentópolis. “Dois têm de ficar em Rio Claro e tomar conta de um território gigantesco, outro tem de ficar nos arredores de Curitiba”. Para Prudentópolis pediu os padres Martyniuk e Hosrostchuk, carpinteiro e serviçal doméstico, respectivamente, “pois não é possível, por dinheiro algum, encontrar um ecônomo por aqui, mas sobretudo peço conseguir de Roma, licença para criar casas de missão em Prudentópolis, Rio Claro e arredores de Curitiba; ... espero que a Propaganda (Fide) assuma a nossa missão sob sua jurisdição... e para que, à todas as casas, desse uma ajuda, pelo menos durante três anos, na soma de 6.000 francos, para as viagens missionárias”, pediu. “Um brasileiro rico nos doou sua própria chácara com uma roça da melhor qualidade; ganhei, para essa chácara, uma vaca e um cavalo de montaria. Além disso, abastecerão a chácara de todas as coisas e prometeram, por dois anos, contribuir para a sua manutenção. O nosso povo, mesmo sendo pobre, é generoso. Fazem coletas, trabalham na chácara, limpam o mato, fazem derrubadas, trabalham sem parar. Do outro lado da cidade, onde deverá ficar outra filial (capela) também vou começar a fazer uma chácara e mais outras em linhas (caminhos), onde deverão localizar-se os cemitérios. Eu poderia comprar muita terra, porque no momento ela é barata. Nosso futuro aqui é promissor”, garante. “Para a escola eu preciso, de pelo menos, duas Irmãs Servas, mas para daqui um ano, para antes construir para elas uma casa e providenciar sua manutenção. O trabalho que espera por elas, aqui tudo é selvagem, as crianças crescem como bezerrinhos. Os próprios brasileiros garantirão para elas a manutenção, pois pedem uma escola para que as crianças aprendam ucraniano e polonês”, sugeriu.
O Pe. Silvestre Kizema descreveu a região assim: “A paisagem aqui, apesar das matas e grotas, é linda e o clima é muito saudável, mas não é possível comprar nada, a não ser trazer da Europa”. Ele pediu duas batinas leves para o verão, “porque não dá para agüentar nas batinas de lã e não é possível mandar costurá-las aqui, porque não existe nem tecido nem costureiro”, explicou e, ao mesmo tempo, recomendou que “os padres que vierem para cá devem trazer as coisas adaptadas para o verão e para o inverno. Devem trazer consigo, também, tudo o que é necessário para as celebrações litúrgicas, até ampolas e jarras, porque nada disso é possível comprar por aqui. O país ainda é selvagem, apenas agora está se desenvolvendo... no solo existem infinitas riquezas, mas tudo está intocável e ninguém mexe nela nem com um dedo. Na própria Prudentópolis há muita riqueza, até pequenos diamantes aparecem na superfície da terra, mas ninguém se importa com isso; essas riquezas não têm muita procura porque eles têm suficientes provisões de seus campos de cultura sem o menor esforço", informou aos seus superiores, e concluiu: “Por ora é só, nesta primeira carta. Se Deus me der saúde, em breve escreverei cartas com mais freqüência. Peço uma vez mais resolver aqueles assuntos Recomendando-me às vossas orações, permaneço: vosso filho fiel em Cristo Jesus.

Silvestre Kizema - Prudentópolis, 8/8/1897


Paróquia Santissíma Trindade de Campo Mourão


Igreja Ucraniana de Campo Mourão/PR

 

1935 - Chegada das primeiras famílias ucranianas a Campo Mourão vindas, em sua maioria, de Prudentópolis, Pitanga, Dorizon e Mallet. As primeiras quatro famílias moravam no Km 23 e as primeiras visitas foram do Pe. Benedito Melnyk, que vinha a cavalo desde Prudentópolis - PR.

 

1939 - Emigrou para Campo Mourão Miguel Scharan, com sua família, e se estabeleceu numa chácara próxima ao Córrego dos Papagaios (região do Colégio Agrícola), onde durante 14 anos as celebrações ucranianas religiosas aconteciam em sua residência. 


1940 - A partir de então, novas famílias chegaram de várias regiões e eram atendidas pelos padres basilianos já instalados em Pitanga - PR, dentre as quais: Orestes Karpliuk, Irenarco Malanhak, Boris Kotsiy, Mariano Strujak, José Martenetz, Cristófor Meskiw, Teodósio Kuchensky, Bartolomeu Senhuta e Doroteu Semtchiy.
 Neste ano, a primeira Comissão da Comunidade Ucraniada foi formada com o objetivo de angariar fundos destinados à edificação da igreja, e teve na presidência: Miguel Scharan, vice Pedro Hrechena, e auxiliares Antônio Hodniuk e Teodoro Metchko.

 

1947 – Foram doados três lotes urbanos á Comunidade, pelo primeiro prefeito Campo Mourão, Pedro Parigot de Souza Filho, na quadra nº 38 da Av. Irmãos Pereira.

 

1947 - Houve a permuta do terreno doado pelo prefeito por uma quadra inteira onde atualmente está construído o Supermercado Paraná, próxima ao estádio Municipal. A negociação foi realizada pelo Pe. Boris Kotsiy porém, lo terreno foi requisitado pelo governo federal e ali foi instalada a Estação Metereológica de Campo Mourão.


1955 - O prefeito Roberto Brzezinski, casado com Tecla Mussak de origem ucraniana, ofereceu toda a quadra atual, onde foi construída a igreja e a escola das Irmãs Servas de Maria Imaculada. A negociação foi realizada pelo Pe. Irenarco Malanhak.

1956 - Construção do Educandário Cristo Rei, das Irmãs Servas de Maria Imaculada, que cedeu uma das salas de aula onde foram celebradas as primeiras missas, cerimônias de casamentos, batizados e reuniões com os fiéis.

1959-1961 - 01 de fevereiro de 1959- chegaram as primeiras professoras - Irmãs Servas de Maria Imaculada: Benedita Czornei e Filomena Prochera (Zita). 


1959
- Dia 14 de março, de acordo com o Decreto 224/59, foi fundada a Paróquia Santíssima Trindade de Campo Mourão. O primeiro pároco foi Pe. Volodymer Solomka, sucedido pelo Pe. Carlos Treuk, que depois foi substituído pelo Pe. Flor Vodonis. Neste mesmo período teve Início a construção da primeira igreja de madeira concluída em 1961.

 

1964 - A Paróquia Santíssima Trindade volta a ser administrada pelos padres basilianos e teve a liderança do Pe. Benedito Melnyk e seu coadjutor o Pe. Arsênio Kozechen. 


Nestes tempos moravam 80 famílias ucranianas na sede e 480 distribuídas nas comunidades de Pinhalão d’Oeste (Farol), Colônia Upá, Araruna, Mamborê, Juranda, Roncador, Estiva, Sapucaí, Centralito, Isakvê, Cascavel, Rio das Antas, Nova Cantu e Maringá.
 

1965 - Sob a orientação do Pe. Benedito, a Comunidade passou a promover festas, bingos, rifas e coletas de recursos no exterior com vistas à construção da nova igreja quando, então, foi designada a segunda diretoria da Comunidade presidida por Basilio Boiko, vice Basilio Daciuk; auxiliares: Paulo Chornobay, Miguel Frankiv, Valdomiro Kozan e José Zazulha.

 

1967 - Inauguração da atual igreja, em arquitetura de magnífico estilo eslavo, que contou com as presenças, dentre várias autoridades,  dos bispos: Dom José Romão Martenetz - primeiro bispo nomeado dos ucranianos no Brasil, e Dom Eliseu Simões Mendes - primeiro bispo diocesano de Campo Mourão.

 

1970 - Após quatro anos de tramitação do projeto legislativo, elaborado pelo vereador Ephigênio José Carneiro, o então prefeito Horácio Amaral aprovou a mudança do nome da rua Peabiru que, no dia 18 de julho de 1970, passou a ser denominada Rua São Josafat, homenagem ao centenário da canonização do santo mártir dos ucranianos.

Também foram párocos em Campo Mourão:
1971-1973 - Pe. Eugênio Harasyntchuk.
1973-1977 - Pe. Boris Kotsiy.

1977 - Pe. Doroteu Zubacz assumiu a Paróquia, mas dia 9 de agosto deste ano faleceu, vítima de acidente, aos 34 anos de idade (cinco de sacerdócio). Assumiu, em seu lugar, o Pe. Bonifácio Zaluski, até 1981.


1978 - 26 de novembro de 1978 - eleição da terceira diretoria paroquial assim constituída: presidente: Teófilo Boiko; vice: José Pochapski; secretário: Pedro Melniski; tesoureiro: André Duzanovski; auxiliares: Nestor Kulik e professor Nikon Kopko.

A Paróquia Santíssima Trindade é uma belíssima igreja do Rito Ucraniano Católico, localizada na Rua São Josafat, 1437, em Campo Mourão/PR, próxima ao Centro Médico e ao Mercado Municipal.

o0o