15/02/2015

THOMÉ PASSOU POR CAMPO MOURÃO ?!



THOMÉ, O APÓSTOLO DO PEABERU

THOMÉ, Tomé, Tomas, Quem é e Por Onde Andou?
Na África
Em 21 de dezembro de 1470 (Dia de São Thomé), os portugueses João de Santarém e Pero de Escobar, no arquipélago frontal à Guiné Bissau (África) fundaram São Tomé e Príncipe, duas ilhas de uma só República Democrática abençoada sob o signo do Santo Apóstolo.
Na Índia
No século XVI, a peregrinação ao túmulo de  Thomé, na Índia, era mais intensa que ao de Thiago, apóstolo-guerreiro sepultado em Compostela (Espanha). As relíquias encontradas e a sepultura do Apóstolo Thomé, estão protegidas no museu do mosteiro de Leipzig. Não foi novidade para os portugueses as informações sobre a tumba de apóstolo-atleta na Índia, fato que já era muito citado na Europa durante a Idade Média, inclusive, pelo lendário navegador, Marco Pólo, em suas mirabolantes viagens e descobertas orientais.
Atleta
O apelido de Atleta deve-se ao fato de ter pregado o Evangelho nos pontos mais remotos da Terra. Além da Índia, a sua jornada missionária passou pela China, África e América, convertendo esses povos ao cristianismo.
O que realmente assombrou os europeus, quando aportaram naquela costa indiana, foi a grandeza do  culto nos locais consagrados e os milhares de devotos de São Thomé, desde Bombaim, Madrasta, Ceilão, Camboja; nas inúmeras colônias lusitanas cristãs, até o Mar da China.
Na época, e antes do domínio espanhol sobre Portugal, a sepultura de Thomé era bem mais visitada que o local sagrado de São Thiago, ao tempo que Meliapor atraia não só os fiéis indianos e chineses mas, igualmente, os povos pagãos e gentios que iam, em longas e sacrificantes peregrinações, constantemente  à Índia e ás cidades de São Tomé e Príncipe (África), para louvar o Santo Apóstolo.
Na América
O apóstolo Thomé, aquele que só acreditava no que via e tocava, esteve na América do Sul e realizou feitos memoráveis. Quando os portugueses chegaram à Índia, ouviram informações do povo nativo, sobre as pegadas deixadas pelo apóstolo Thomé em diversos lugares do Oriente, as quais também foram encontradas quando da descoberta da América, mais notadamente no Brasil, Paraguai, Bolívia e Peru, pelo trajeto secular do Peaberu. o Sagrado Caminho de São Thomé.
Sumé do Brasil   
O Caminho do Peaberu, estreita estrada primitiva, com cerca de cinco mil quilômetros, que une o litoral brasileiro ao altiplano peruano, era intensamente usado, conservado e defendido pelos povos das nações Tupi, Guarani e Inca, que tinham um certo  domínio ascendente sobre as demais tribos, obra estradeira atribuída aos conhecimentos de São Thomé, pelo qual deixou marcas de sua passagem. 

 
A primeira ocorrência, sobre a presença de São Thomé no Brasil, foi publicada em 1507
no mapa mundi do alemão Waldseemüler, onde registra claramente: Serra S. thome, S. pauli e S.vincete acima do Rio de cananoni (Cananéia).
Na Imprensa
A primeira versão conhecida da presença de um discípulo de Jesus em terras americanas é citada pela Nova Gazeta Alemã, que se reportou à viagem do navio armado por Dom Nuno Manuel e Cristóvão de Haro, á América, e que no dia 12 de outubro de 1514 atracou de volta, na Ilha da Madeira. A notícia publicada na Alemanha foi filtrada pelo editor, que estava a bordo daquele navio, ao ouvir o que os tripulantes falavam da costa atlântica brasileira e dos nativos ali encontrados aos milhares, os quais se referiam ao homem branco Sumé e às recordações de São Thomé passadas de geração a geração, acrescentando na matéria, que os silvícolas até: ”quiseram mostrar aos portugueses as pegadas de São Thomé no interior do país. Indicam também que têm cruzes pela terra adentro. E quando falam de São Thomé chamam-lhe o deus pequeno, mas que havia outro deus maior (...). No país chamam freqüentemente a seus filhos Thomé", e citam o pregador como Pay Sumé, Xumé ou Zumé.

O Peaberu
As andanças e as obras de São Thomé se difundiram  rapidamente e de tal forma que, em 1516, no Brasil colônia, comentava-se da sua passagem pelas trilhas do Peaberu, de costa a costa da América do Sul, caminho que, segundo jesuítas, foi aberto pelos nativos sob orientação técnica do Santo Apóstolo.
Mapa do Peaberu de São Thomé
Campo Mourão – PR
Existia até por volta de 2005, a Gruta da Santa Cruz em Campo Mourão - PR, à margem do Caminho do Peaberu, que guardava restos do cruzeiro de cedro, que se acredita, foi “plantado” por São Thomé. Essa gruta sagrada declarada por lei "patrimônio histórico" foi demolida – sem nenhuma explicação – pelo padre da Paróquia do Jardim Santa Cruz. Segundo depoimentos os fiéis, a maioria  de famílias pioneiras de Campo Mourão e região, freqüentavam mais a gruta que a igreja próxima ao local.
A gruta substituiu a centenária capelinha de pau-a-pique, que sofreu um incêndio em 1960 e, no mesmo lugar, foi erigida uma gruta de pedras pelo devoto Ville Bathke, de saudosa memória, que guardou a relíquia em seu interior e sonhava em construir um santuário consagrado a São Thomé, neste local.
Testemunhas contemporâneas relatam benesses e milagres recebidos por muitos mourãoenses neste espaço sagrado, que se destacava  no Cerrado Mourãoense – quase esquecido - onde existe um longo trecho do Caminho e a marca da passagem da trilha milenar, pelo raso do Ribeirão 119, no sentido Jardim Santa Cruz ao Município de Peabiru-PR, cidade esta, que nasceu a dos dois lados da trilha secular, bem visível, que corta o centro urbano, hoje uma larga rua.
Outro marco era venerado, a dezenas de anos, no município de Farol – PR, na localidade conhecida por Cruzeirinho, onde havia uma antiguíssima cruz de madeira, atribuída a passagem de São Thomé. Essa cruz foi retirada pelo primeiro prefeito de Farol, Gilmar Cardoso e foi perdida (também é desconhecido o motivo). Em Alto Alegre, no município de Campo Mourão, os moradores antigos comentavam sobre uma pedra com as marcas dos pés de São Thomé em um determinado ramal do Peaberu, que por ali passava, mas que perdeu-se com o advento da mecanização da lavoura.
As pegadas de São Thomé
Além de Alto Alegre, no Paraná, existem registros de pegadas de São Thomé, cravadas em rochas de diversos lugares do litoral brasileiro:  Cananéia/São Vicente (SP), Itapoá (BA), na praia do Toque Toque; Itajuru (RJ) próximo a Cabo Frio e Paraíba, onde Frei Jaboatão, da Congregação dos Frades Menores, afirmou que viu pegadas no lugar do Grojaú de Baixo, há cerca de 42 km de Recife (PE).
Infelizmente o hábito dos crentes em Thomé, que tem o costume de agredir as pedras marcadas, fragmentá-las e fazer relíquias sagradas, fez desaparecer a maior parte dessas formas em baixo relevo. A história registra, que estas rochas serviram, inclusive, de referenciais de limites territoriais em documentos oficiais, como as cartas de doação de terra pela coroa portuguesa aos fidalgos donatários (capitanias e sesmarias).
Os famosos vestígios de cruzes e pés humanos calcados em pedras foram mostrados pelos índios aos primeiros portugueses, que chegaram ao Brasil. Em alguns lugares, como em São Gabriel da Cachoeira (AM), os moradores, ainda hoje depositam velas e fazem preces em torno de uma forma de pegada cravada em uma rocha. Uns a atribuem a um anjo, outros a São Thomé, ou Pay Sumé. Inscrições iguais são encontradas na Bolívia, Brasil e Peru, atestando a presença do herói místico, que partiu em direção aos Andes pelo Sagrado Caminho do Peaberu, que São Thomé ensinou os nativos a construí-lo, com arte e primor.
THOMÉ, TOMÉ, SUMÉ, SHUMÉ, ZUMÉ, XUMÉ, ZOMÉ
Destas formas pronunciadas: guaranis, tupis e incas se referiam à memória do misterioso Thomé: “um homem, alto, branco, longa barba,  portador de uma cruz e da nova doutrina cristã”, foi apontado, pelos jesuítas, como o santo civilizador dos povos mais distantes da Terra Santa.
No Brasil era venerado há centenas de anos, bem antes da dita descoberta do Novo Mundo. Ensinou aos nativos sulamericanos o cultivo da terra, os princípios morais e de respeito humano.
Em algumas tribos seus ensinamentos foram rejeitados violentamente, a ponto do Apóstolo ser ameaçado de morte e agredido diversas vezes, como ocorreu entre os tupinambás de onde fugiu. Perseguido pelos ferozes canibais, atravessou o Brasil, Paraguai, Bolívia e Peru, cumprindo sua missão evangélica.
O Peaberu
Acreditam que desta sua passagem fugaz resultou a feitura do Peaberu, com ajuda dos nativos de paz, até que o Santo abandonou o continente. Segundo narrativas indígenas, “Pay Sumé se entristeceu com a situação hostil e adversa e foi embora por sobre as águas do oceano”, da mesma forma como veio à América, pela costa brasileira.
Peaberu, estrada estreita e primorosamente conservada, passou a ser conhecido em Portugal como o Sagrado Caminho de São Thomé, visitado e largamente usado pelos europeus depois das travessias de Alejo Garcia, Pero Lobo, Cabeza de Vaca e outros aventureiros castelhanos e lusitanos,  nos séculos XVI e XVII.
Antes do domínio espanhol sobre Portugal, o Caminho de São Thomé era mais famoso e visitado do que o de San Thiago de Compostela.  A Espanha proibiu peregrinações pelo Peaberu, daí o seu abandono, no Brasil, por centenas de anos. 

 

Cultos primitivos
Entre os tupinambás visualiza-se o culto à Monan, uma espécie de deus semelhante ao cristão. Mas existia um outro chamado Maire (o transformador), tido como um espírito desenvolvido e conhecedor da natureza, sua ação civilizadora se manifestou na introdução da agricultura entre os avós dos tupinambás e outros povos nativos, aos quais ensinou o trato à terra e lhes entregou sementes de vegetais para produzir alimentos a seus descendentes, exatamente como fez Sumé com os guaranis, Zumé com os incas, Zomé entre os tupis e Aimará com os aimorés e tamoios, que foram encontrados pelos descobridores cultivando e colhendo: milho, mandioca, feijões, abóboras e erva-mate. Mostrou também, ao nativos, as plantas medicinais.
Maire, o transformador dos usos e costumes primitivos, aos que não o obedeciam se impunha de maneira severa e isso ele fez, por vezes, de maneira cruel, o que provocou revolta e ódio contra si, de selvagens que não aceitavam os castigos e mudanças de hábitos arraigados e, irados contra Sumé, pelas punições e transformações, tentaram matá-lo por diversas vezes. 
Os cultos a Maire Monan ou Pay Sumé, entre os nativos brasileiros, foram testemunhados pelos jesuítas, que viam em Sumé a figura de São Thomé, que os incas denominavam de Zumé, um espírito superior que fora, há centenas de anos, guia dos povos nativos da América. Alguns padres loyolistas se diziam sucessores do Apóstolo e a maioria dos selvagens acreditava, porque conheciam a profecia transmitida pelas gerações anteriores.
O mesmo Maire Monan - Thomé em vários sotaques - é citado no Maranhão e na Bahia como o Sumé, o que ensinou o cultivo da mandioca no Nordeste brasileiro e, aos guaranis do Paraná o consumo da erva-mate. Sumé também impôs algumas leis severas, condenando a poligamia e o canibalismo.
Histórias
Têm histórias interessantes sobre o Santo, entre as tribos, como estas:“que alguns índios enraivecidos, pela limitação de suas sexualidades atearam fogo à cabana de Sumé; que foi alvo de flechadas mas estas voltavam ou, ainda, que o amarraram a uma grande pedra e o jogaram no rio, e se salvou”. Dizem, também, que o forçaram a um teste de fogo e teve que caminhar sobre um grande braseiro. “Andou naturalmente, e saiu ileso do outro lado”, prática esta comum, até hoje, em algumas lugares do interior do Brasil, por pessoas de muita fé. 
Os guaranis, incas e tupis diziam que: “Sumé veio e partiu da América por sobre as águas do mar e anunciou voltar um dia para continuar sua obra”.
Para os crédulos nativos, com a chegada dos jesuítas cumpriu-se a milenar profecia de Pay Sumé, o Santo Apóstolo de Cristo.Existe uma versão relatada pela população do Baixo-Amazonas que: "quando S. Tomé esteve entre os índios, meteu-se numa igarité com quatro cablocos reforçados, deu um remo a cada um, ficou no jacuman (remo de leme) e mandou remar rio acima. De vez em quando um cabloco cansava e parava de remar. O santo não dizia nada, batia com o jacuman na traseira dele. E onde o santo batia, a carne ia murchando como por milagre”.
Conta-se, que certa feita, “convidaram-no para uma festa e obrigaram-no a saltar por cima de três fogueiras; depois de bem sucedido na primeira, maire-monan desmaiou na segunda e foi consumido pelas chamas; o estouro do seu crânio queimando, produziu o trovão, enquanto as labaredas do seu corpo, criaram raios”.
Várias lendas, interessantes como estas, se perderam com a devastação dos nativos da América.
Locais  de  São Thomé
São Thomé das Letras é uma cidade mística, edificada sobre uma montanha de pedras, as mesmas utilizadas na construção de casas, no calçamento das ruas, no feitio do artesanato e de utensílios domésticos. Isso dá razão a um dos nomes pelos quais é conhecida: "Cidade das Pedras". Nos arredores da cidade é possível desfrutar dos mistérios das grutas e do frescor das cachoeiras que se espalham por locais diversos.
Acredita-se que São Thomé seja um dos sete pontos energéticos da Terra, o que atrai para o lugar sagrado: sociedades espiritualistas, científicas e alternativas, o que dá razão a outro nome: "Cidade Mística", onde São Thomé apareceu na gruta e escreveu, a carta de alforria do escravo João Antão, que ali estava escondido, depois a levou e foi assinada pelo seu patrão, admirado com tão bela caligrafia.

A cidade de Sumé está localizada no sul da Paraíba, sub-região de Cariris Velhos, a 250 Km de João Pessoa e a 130 Km de Campina Grande. O clima é seco, com temperatura acima dos 25'C, na maior parte do ano, e uma população calculada em 17 mil habitantes.
Três Pedras situa-se nas divisas de Bofete, Pardinho e Botucatu (SP), próximas ao Caminho do Peaberu de São Thomé.
A maior atração é esse lado místico. Estudiosos garantem que ocorrem fenômenos inexplicáveis. Pay Sumé lutou contra o demônio na gruta das Três Pedras e os jesuítas tentaram se refugiar no local, quando perseguidos e mortos pelos nativos mas,  antes, esconderam na pedra do meio um enorme carregamento de ouro.
Profecia de Thomé

"Vosso povo viverá em rixas e se espalhará por tribos dispersas por toda a extensão da terra selvagem e áspera, que vos espera; sofrereis por muitas e muitas gerações a perseguição de povos estrangeiros vindos de fora e se abaterá sobre vós a tirania e a desgraça e, até que venha a união de vossas tribos, muito tempo se passará". “A  doutrina que eu  agora vos prego, perdê-la-eis com o tempo, mas quando, depois de muitos tempos, vierem uns sacerdotes sucessores meus, que trouxerem cruzes como eu trago, ouvirão os vossos descendentes esta (mesma) doutrina”. 

A profecia de Pay Sumé dita aos povos nativos da América do Sul veio a se concretizar com a invasão e os ataques em massa dos europeus contra os índios, explorando toda a extensão do Peaberu, em busca de riquezas e poder.


     Lenda de São Thomé
     Era um dos dias mais frios do mês de julho. O nhô Juca, pessoa muito conhecida na região de Campo Mourão, no Paraná, por ser uma figura enigmática, do qual só se sabia que era muito amável com todos que o conheciam, estava em seu rancho, a beira do Rio Piquirí, onde acendeu  uma pequena fogueira para se aquecer. Ia assar pinhão, fruto da araucária, conhecida como o pinheiro do Paraná. 
        Era costume os moradores comer o pinhão e também saborear o chimarrão, erva nativa da região.
       Nhô Juca tinha muitos compadres, pois sendo uma pessoa bem  antiga no lugar, ajudava a todos que o procuravam, com seus remédios caseiros, seus sábios conselhos e seus intrigantes “causos”, por todos apreciados.
       No rústico rancho onde vivia, todos os finais de tarde, recebia seus amigos. Sentavam nos banquinhos e pedaços de troncos, ouviam, comentavam e contavam histórias, principalmente causos de assombração, boitatá, saci pererê, mula sem cabeça e muitas outras. Além da iluminação da fogueira, no centro do rancho usava uma lamparina com um pedaço de pavio de pano torcido e querosene.
       Naquele final de tarde, tal qual um ritual, seus companheiros, após um dia de lida na roça vieram conversar com o compadre Juca e também ver se ele não estava  precisando de nada, pois era sozinho na vida. Dele não se conhecia mulher nem filhos.
      A conversa estava animada, que nem perceberam a tempestade que se aproximava. O vento era tão forte que atravessava de um lado para outro do rancho, e era impossível manter a lamparina acessa. Parecia que tudo ia voar. A turminha ficou com medo danado, porém, nhô  Juca com sua calma começou a lhes contar um história nova. Disse que aquela região onde estavam já havia pertencido aos índios e que estes construíram um imenso caminho, muito importante, que abrangia os estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e os países do Paraguai, Bolívia e Peru. Era conhecido por Peaberu (caminho antigo de ida e volta) que, acreditava o povo guarani, conduzia à Terra Sem Mal (paraíso).  Era uma trilha muito antiga e comprida.
     Seu percurso começava no Oceano Atlântico e terminava no Oceano Pacífico pela América do Sul. Tinha mais ou menos 5 mil quilômetros de comprimento e quase 2 mt de largura, mais parecia uma grande valeta no meio da floresta de tanto ser pisado a milhares de anos.
-       E este caminho ainda existe, perguntou Pedro?
        -     Claro que não, seu imbecil, respondeu Armenegildo, você acha que depois de tanto tempo os homens, as chuvas e o mato não destruíram ele?
-     Calma meus filhos, retrucou nhô Juca, deixem eu terminar de contar a história.
       - Pois bom. Os índios, nossos antepassados, tinham a sua sabedoria, não eram bobos não. Eles plantavam nesse caminho uma grama miúda que evitava que a chuva lavasse a terra e, ao mesmo tempo impedia que as ervas daninhas invadissem a vereda. Assim, o caminho ficava sempre limpinho, mais parecia um corredor atapetado de verde, bem fofinho.
-     Ah! Compadre, deixa de contar lorotas, de que jeito que os índios conseguiram plantar toda essa medida que o senhor falou, 5 mil quilômetros, isso é uma tremenda mentira, retrucou  Armenegildo.
-     Não fale assim, disse Pedro, deixe o compadre  terminar.
-     Pois bom. Como eu falei, os índios não eram burros não, essa grama era plantada em alguns trechos e daí se reproduzia e avançava o caminho. E também soltava umas sementinhas melentas que grudavam nos pés e pernas dos animais e de quem por ali passava e, assim, era levada pelo caminho. Dessa forma, as sementes caiam e novos trechos iam sendo gramados.
-     Ah! Que espertos, hein compadre. Disse Pedro admirado.
E a conversa continuou... falaram dos índios, seus usos e costumes e até da sua saída da região expulsos e caçados pelos invasores brancos.
          Nhô Juca, então resolveu contar-lhes sobre a lenda que envolve este caminho antiguíssimo por cima do qual surgiu a maioria das estradas.
-     Sabem compadres, dizem que por este caminho andava muita gente importante na nossa história. Ouvi, certa vez, um moço lá da capital, que abriu uns buracos na beira do rio, procurando sei lá o que, e disse que por aqui passou um homem branco, pois aqui só existiam os índios, e que este homem fez muita coisa boa para os indígenas. Dizem que ele veio das águas, e que seu nome era Thomé ou Pai Xumé dos Guarani.
-     É meio compridinha, mas vou contar: era um homem branco, alto, com longas barbas, usava cabelos curtos com uma rodinha tosada no cocuruto da cabeça, igual que os padres tem. Ele vestia uma roupa branca ia até os pés, amarrada por um fino cinturão de couro na cintura. Nas mãos trazia um livro semelhante ao breviário dos sacerdotes e uma pesada cruz de madeira preta do Jatobá.     Pelos lugares onde passava, ensinava o moralismo, condenava casar com mais de uma mulher e proibia comer carne humana. Ele evangelizava os índios e ensinou que existe só um Deus e seu Filho Jesus Cristo, que nasceu e morreu pregado em uma cruz  pra pagar nossos pecados. Em suas mensagens, ensinou o amor de Deus ao próximo e que só chega ao paraíso quem aceita Jesus pelo batismo. Também ensinou os cultivos da cana-de-açúcar, milho, mandioca, erva mate e uso das plantas que curam. Por pregar a palavra do bem e censurar  a imoralidade, causou grande revolta nos chefes e pajés, que furiosos mandaram perseguir ele. Incendiaram as cabanas onde descansava, atiraram flechas e pedras em Thomé. Se salvava dos atentados pelas águas dos rios ou do  mar, por onde sempre fugia sem deixar rastros. Muitos dos antigos dizem que o homem branco era Thomé, apóstolo de Jesus Cristo, aquele  que duvidou da ressurreição, pois pediu  para colocar seus dedos nas chaga do peito  para sentir o sinal do corte da lança que um soldado cravou Nele. Por isso é que, até agora existe a frase: “sou igual São Thomé: quero ver, pra crer!”. Então, por ter duvidado, Jesus deu pra ele, a dura missão de pregar o evangelho nas terras mais longínquas do mundo. Naquela época, o mundo era povoado apenas no Oriente Médio, na Europa, no Norte da África e na Ásia. Dizem que São Tomé foi pregar na Pérsia, e assim que concluiu suas pregações por lá, entrou num barco de mercadores e viajou rumo as Índias e depois a China. Como chegou na América do Sul, não se sabe, apenas alguns jesuítas contavam sua passagem por nossa terra. Sua vinda e ida começou no Oceano Atlântico e terminou no Oceano Pacífico, pois o Peaberu atravessa a América do Sul de leste a oeste.
-     Nossa compadre, esse cara viajou muito hem? Exclamou Pedro.
-     Pois é, era a sua missão e nada o impedia, porém, certo dia os inimigos conseguiram pegar e amarrar ele numa pedra grande. Furiosos, deram uma  surra e largaram ele desmaiado de tanta pancada que tomou. Foi, então, que 3  águias bem grandes, desceram do céu, cortaram os cipós e livraram ele daquelas coisas. Daí, fugiu por sobre as águas do Oceano Pacífico da mesma forma que chegou pelo Oceano Atlântico, e nunca mais ninguém soube do seu paradeiro. Dizem que depois que ele sumiu. Os aventureiros acreditavam que ele havia enterrado muito ouro e pedras preciosas pelo caminho que passou. Os que se atreviam a cavocar a terra naquele caminho, eram exterminados pela própria ganância, pois, o céu escurecia, uma forte tempestade se formava de repente, com muitos raios que torrava quem fazia buracos por ali.
-     Cruz credo, nem quero saber de chegar perto desse tal caminho – disse Armenegildo.
-     Esse caminho ainda existe compadre? Perguntou Pedro.
-     Olha, eu escutei uns moços, lá no boteco do seu João Grande, com uma falação desse Caminho.Diziam que ainda existe alguns lugares dele. Mas ainda tem mais, o Apóstolo Thomé ou Pai Xumé, como os índios diziam, pediu que era para preservarem o Sagrado Peaberu e quando ele fosse destruído pelos gigantes brancos haveria muita seca, as aves e animais iriam acabar; os peixes e as águas dos rios se tornariam ruim pra beber. Mas depois que o grande pássaro avarento passasse e os jovens reconstruíssem o Caminho da Terra Sem Mal, voltaria a abundância de peixes nos rios, dos animais na floresta e a natureza voltaria a ser bela e exuberante. Ainda deixou uma recomendação: nesse novo caminho só se deve passar a pé, pra refletir e se encontrar  com Deus e a Mãe Natureza. É preciso ver para crer!  finalizou.