11/07/2011

Música nas ruas de Campo Mourão - Antes do Rádio


Música sempre presente em Campo Mourão 


Até o advento da Rádio Colméia, Campo Mourão sempre teve som e música na rua, que se ouvia pela cidadezinha toda.

Na década de 50 era a caixinha de som na fachada do Bar Estrela, do nono Pedro Gênero, na esquina da Rua Brasil com av Irmãos Pereira (Edifício Gênero).

Campo Mourão - 50, à esq a fachada do Bar Estrela e à dir a Bicicletaria Leal e o alto falante
(clique na fotinha e amplie)

Depois veio o alto falante da Bicicletaria Leal na esquina da Rua Francisco Albuquerque X av Irmãos Pereira. Além de música ali se alugavam bicicletas Phillips, pretas-mochas, do guidão virado pra baixo. Dez centavos a hora.
O dono da Bicicletraia, Odoni Leal, fez um projeto: colocar um alto falante em cada poste em torno da praça da cidade, fazer propaganda das casas comerciais e rodar músicas, direto.

 

Teodoro Metchko (de gravata) fez o Cine Mourão

Com o advento do Cine Mourão, de Teodoro Metchko, apaixonado por filmes e músicas, instalou um serviço de alto falantes potentes, a acabou o sonho do Leal, que foi um dos primeiros locutores daquele cinema.

Depois veio o serviço de auto falantes do Cine Teatro Império, ao lado do melhor sorvete da cidade -  Bar do Malluf - do Chafic Badden Malluf  (dono do cinema e do bar). Até construir o casarão do Império, o cinema era dentro do bar, numa sala escura, ao lado.

Nesse meio tempo, de 50 a 60, João Durski abriu a loja de discos A Musical em frente a praça. Depois veio a Servilar do Naido, na rua Harrison José Borges, ao lado da Quitanda Avenida, onde está o Likes de hoje.









A Musical tinha dois clientes fissurados em discos 78 rpm depois LP (vinil): Pedro da Veiga, fã de Gregório Barrios e Rubens Bathke apaixonado por orquestras, que até hoje tem um acervo de discos invejável em sua casa, no Araucária, a grande maioria adquirida na saudosa A Musical.
O Pedro também tinha, não sei se ainda tem. Quando locutor do Cine Mourão ele comprava discos com o salarinho que ganhava e os executava no serviço de alto falante, até quase furar. Depois levava pra casa e comprava outras novidades. A principal delas era As 10 Mais – uma coletânea espetacular de 12 musicas atualizadas, sucessos em suas épocas.




Outro discófilo de Campo Mourão, de se tirar o chapéu pela coleção que tem, é Manoel Rodrigues Correia, um dos primeiros locutores da Rádio Colméia por muitos anos, que apresentava o seu mais famoso programa O Assunto é Disco – que atendia pedidos de ouvintes exigentes.

O som de músicas, nas ruas de Campo Mourão, acabou com a inauguração da Radio Colméia, no início, pela baixa potência (500 wats) não passava de um serviço de auto falante amplificado, que dava pra se ouvir no perímetro urbano e à noite era engolida pelo som da Farroupilha de Porto Alegre, que tinha potente retransmissor em Guarapuava. Depois a Colméia mudou a sintonia de rádio e melhorou, até ser a potência que hoje é.