11/04/2011

A Expedição de Alejo Garcia

Garcia conheceu o Peabeyu






1523 marcou o início de uma expedição heróica encabeçada pelo português Alejo  Garcia (1523/1525), que conviveu durante oito anos entre os índios Carios (Carijós) acolhido pela tribo após o naufrágio de 1516 e a morte de seu comandante Juan Diaz de Solis. Considerado 'irmão' casou e teve um filho (Diogo) com uma índia da tribo. Nas reuniões ouvia falar de um caminho que conduzia ao Império do Sol, ao Eldorado da Terra Sem Mal

Caravela do espanhol de Solis - Garcia e 11 marujos fugiram de bote,
entre eles o negro Pacheco que fez parte da aventura de Garcia ao Peru

Garcia ouvia relatos da existência de uma serra de pura prata e de um poderoso rei branco coberto de ouro. Organizou uma expedição de aproximadamente de 2 mil índios flecheiros (carijós) com amigos naúfragos e seguiu o Caminho do Peabeyu em busca das propaladas riquezas do Império Inca.

Mel e pinhão - Venceu a Serra do Mar e alcançou o primeiro trecho do Peabeyu. Se alimentavam de mel silvestre, palmitos, milho e farinha de pinhão. Foram quatro meses para deixar Santa Catarina e chegar ao local onde hoje está a cidade de Assunçion fundada por ele,onde ficou sua mulher e filho e mais uma parte da comitiva afim de cultivar alimentos, no Paraguay.

Prata pura  - O grosso da expedição segui até chegar na fronteira do Império Inca, atual cidade do Sucre. Garcia passou a cerca de 150 km de Potosi (Bolívia), a montanha de 600 metros de altura, quase que inteiramente de prata. O 'rei branco', citado pelos carijós, era o inca Huayna Capac, que governava desde Cuzco, antiga capital Inca.

Matam Garcia - Após saquear a região, enchendo cestos com taças de prata, peitorais de ouro e objetos de estanho, o grupo bateu em retirada. Entretanto, ao chegar às margens do rio Paraguai, foram atacados pelos temíveis índios Payaguá. Entre centenas de mortos no massacre de Monady, jazia  Aleijo Garcia. O local é conhecido hoje, como Garcia Corá (lugar de Garcia).

Apenas uns poucos companheiros conseguiram fugir do ataque e retornaram à Santa Catarina com cerca de 25 quilos de ouro.
A noticia se espalhou e outras expedições se formaram, movidas pela cobiça, e tentaram repetir o malgrado feito de Alejo Garcia.


Peabeyu - Após Alejo Garcia, o Peabeyu começou a ser largamente utilizado pelos invasores europeus. Em 1531, Pero Lobo, um dos capitães de Martim Afonso de Sousa (fundador de São Vicente), fracassou em sua expedição pela rota. Também passaram pelo caminho Alvar Nuñes Cabeza de Vaca, em 1541, e Ulrich Schmidel, em 1553.
Os jesuítas Pedro Lozano e Ruiz de Montoya percorreram a trilha em suas missões de catequização dos índios guarani e lhe batizaram de Caminho de São Tomé. Os bandeirantes, dentres eles, Manuel Preto e Antonio Raposo Tavares, trilharam o Peabeyu afim de atacar, saquear e destruir as reduções espanholas.

Foz do Ytapocu que desagua no Atântico
e Praia dos Naufragados de onde partiu Garcia