09/06/2012

BATHKE no Nordeste do BR


1- Embarque no RJ - 31/05/2012

 
Aeromoça Mariana e Wille Bathke Junior 

  
Dirigindo-se ao portão de embarque Aeroporto/RJ

 
Wille Bathke Junior, aguarda a vez

 
Boa viagem !!

 
Wille Bathke Junior: vai com Deus e a TAM !!

Rodolfo Cesar Bathke e Wille rumo a Natal/RN

  
Wille Bathke Junior - decolagem RJ
*
2- Bathke em Natal - RN

  
Nossa amiga e anfitriã potiguar: Mauricéia, em Natal/RN

 
Wille - Chegada a Natal, ap de Mauricéia e Fátima 

 
Filha Fatima Cristina Bathke nossa guia em Natal etc e tal

 
Rodolfo e Wille no 1o andar do Cond. Inglaterra/Natal


 
Cida e Fatima
Wille Bathke Jr primeiro dia em Natal, na Lagoa Nova  

 
Wille e Rodolfo Cesar Bathke, em Ponta Negra/RN

 
Wille, hora de almoço e água de côco em Ponta Negra/RN

 
Wille Bathke Jr e Rodolfo na Barreira do Inferno - RN
01/06/12

 
Fátima, Wille e Rodolfo Cesar Bathke
Barreira do Inferno - RN 

 
Rodolfo e Wille Bathke Jr na Praia de Ponta Negra/RN

 
Wille Bathke Junior morgado

 
Capela de N. S. de Fátima padroeira de Fatima Cristina Bathke 

Wille Bathke Jr na Bahia dos Golfinhos/RN

  
Rodolfo Cesar Bathke, Wille e os amigos Golfinhos

 
Bathke no Teatro Alberto Maranhão - Natal/RN
  

Paloma Bernardi e Thiago Martins em ação na peça:
"O grande amor da minha vida"

  
Rodolfo Cesar Bathke e Wille em Natal/RN, à noite


Tibau do Sul/RN

 

 
Tibau do Sul/RN

 
Wille Bathke JR na Praia de Tibau do Sul/RN

 
Lavas vulcânicas na Praia de Tibau

 
Rodolfo Cesar Bathke em Tibau/RN

Caranguejo, camarão, água de côco, caipirósca tudibão,
na Barraca do Banga, em Tibau/RN 
          
    
 
 Rodolfo em Tibau/RN

 
Casa das Primas e dos Primos/RN 


3- Fortaleza dos Reis Magos/RN

  
Forte dos Reis Magos - Arte francesa - sec XVII 

O Forte dos Reis Magos foi edificado em fins do século XVI e início do XVII, na barra do Rio Potenji, Natal-RN, foi palco de acontecimentos históricos que transcenderam largamente sua função militar originária. 
   Sua construção, a base de areia, lama, cal, pedras irregulares e óleo de baleia data de 1598, quando Portugal fazia parte do reino da Espanha, sob a corôa de Filipe II. A precariedade de defesas e os conflitos com tribos nativas (potiguares) e invasores europeus (França, Holanda e Inglaterra) marcavam o período de disputas sangrentas pela partilha dos “novos mundos” descobertos. 

   A melhor defesa era, sem dúvida, a ocupação efetiva. Os portugueses ditos ‘donos’ da terra brasilis, a partir da Bahia de Todos Santos – primeira capital do Brasil - expandiam-se para além da Paraíba, rumo ao norte, onde a presença de nativos e franceses constituíam obstáculos. É nesse contexto que Filipe II da Espanha ordena ao capitão-mor de Pernambuco, Manoel Mascarenhas Homem, que organizasse uma expedição a fim de anexar a região que hoje compõe o Rio Grande do Norte.

    
Wille Bathke Junior - Rio Potenji e passarela de acesso ao Forte,
calçada com lascas de árvores petrificadas 

   Mascarenhas aportou na embocadura do Rio Potenji em 25 de dezembro de 1597, recebido por ataques de franceses e nativos aliados (relatados pelo Padre Pero Rodrigues). Os ataques foram contidos e no dia 06 de janeiro de 1598: “ então, pôde o capitão-mor iniciar a construção de um forte, na praia, em pau a pique, com varas, barreado com lama do mangue. Segundo o costume, lavrou-se o competente auto, que não chegou ao nosso conhecimento.    
   Arvorou-se a cruz sob as salvas da artilharia, hasteou-se a bandeira com as armas reais, celebrou-se o santo sacrifício da missa e um dos sacerdotes presentes deu a bênção litúrgica.”   
Dia 6 de janeiro é dedicado ao Três Reis Magos, daí o nome da fortaleza, iniciada no Dia de Reis (Belchior, Baltazar e Gaspar):   
   “O trabalho era pesado e exigente. Praticamente não se utilizava a energia mecânica: tudo era a força humana, energia muscular. Os homens trabalhavam quase nus, desprotegidos do sol e da chuva, apenas uma tanga...  Transportar lama do mangue na cabeça para os aterros – que então se diziam entulhos- carregar madeira no ombro, pedra a pau e corda, fazer argamassa  com os pés em contato direto com a cal. E sobre este trabalho inclemente e duro, os maruins (mosquitos), em nuvens, atenazando o corpo machucado.”  

Wille Bathke Jr no Portal da Fortaleza

   A planta original concebida pelo Padre Gaspar de Samperes foi concluída em 1628. “A conformação geral é de um polígono afetando forma lanceolada. Construído por combinação de vários sistemas, o traçado associa técnicas diversas de arquitetura militar, combinando tenalhas e bastiões, baluartes e casamatas, muralhas inclinadas e parapeitos verticais.

 
Wille Bathke Jr no Interior da Fortaleza

Todos estes elementos reunidos no conjunto não são meros adornos: são peças com funções específicas, defensivas ou atacantes, que podem continuar a resistência ou prolongar o ataque, quando outras já tiverem sido postas fora da luta, ou conquistadas pelo adversário. Compõem um sistema de elementos distintos de utilização simultânea ou opcional:

  
Fatima e Wille Bathke Jr entre os canhões da Fortaleza

    Dois grandes bastiões se interligam por uma cortina de 25,70 m de comprimento e 6,82m de altura, da base ao remate do parapeito. O reforço da base tem 0,50 m de altura. Entre a base e o cordão, o pano da cortina tem 4,79 m. Do cordão ao rebordo do parapeito, 1,35m. A espessura é de 1,35. O conjunto é visivelmente assimétrico do lado do mar e em linha curva compondo um ângulo super-obtuso, ao meio, enquanto o lado do rio tem a inflexão da linha em ângulo obtuso, bastante acentuado. Esta assimetria é igualmente sensível no tenalhão, com os lados desiguais, e os baluartes que mostram esse plano assimétrico, o da esquerda mais aberto que o da direita.”   

   
Fortaleza dos Reis Magos-RN vista do alto  
  
   O fim da União Ibérica leva Portugal a voltar suas atenções para a colônia brasileira. Vitoriosos, os portugueses obtêm sucessivas rendições, até retomar a fortaleza pela fome e a sede. 

 
Wille e o Museu no antigo alojamento dos soldados

   Portugal recuperou a autonomia pelo processo da Restauração e procurou manter as fortalezas. Implantou a Superintendência das Fortificações, mas a falta de recursos criou obstáculos. Não sofria apenas a Fortaleza, mas toda sua guarnição, entregue à miséria. Mesmo assim, constituia-se o único abrigo seguro.


 
Wille na Sala do Comandante da Fortaleza

   O Século XVIII assistiu a Fortaleza dos Reis Magos ter suas funções oficiais alteradas: já não funcionava como sede administrativa e dividia seus presos com a cadeia civil.

  
Wille Bathke Jr na Prisão da Fortaleza dos Reis Magos

   Alguns repáros isolados são realizados, mas a grave crise econômica pela qual passava a capitania não foi superada. A precariedade, documentada nos apelos por recursos, nos atrasos dos soldos, nas vestes insuficientes, na falta de alimentos, tornou-se a marca do período. Paralelamente, a partir da segunda metade do Século XVIII, a cidade de Natal se desenvolveu.    O Forte dos Reis Magos limitou-se a cadeia, sendo as outras funções distribuídas a outros órgãos. No decorrer das décadas se desfigurou e 1907, foi desclassificado como estabelecimento militar.
   Em 1950 a construção foi tombada pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Convertida em museu, Reis Magos cumpre seu destino de monumento histórico, não obstante graves erros cometidos, como a extinção da capela que forneceu apoio – e a caracterizou – durante décadas. Entre as últimas reformas, construiu-se um passadouro de acesso (com participação do grande arquiteto Lúcio Costa, colaborador da construção de Brasília), para que as próximas gerações sigam conhecendo e admirando esta formidável testemunha da nossa História.

  
Cidade de Natal vista da Fortaleza

 
Baitacas e lasca de árvore petrificada
Mangue do Potenji- RN

4- Bathke em João Pessoa/PB

 
Hotel Xênus na beira da praia

  
Hospedagem dos Bathke em João Pessoa/PB

  
Fatima C. Bathke e Wille na Av Cabo Branco
João Pessoa/PB

 
Wille Bathke Jr na Diocese da Paraíba em João Pessoa/PB 

  
Capela de NSa das Graças. João Pessoa/PB

 
Entrada do tradicional Hotel Globo
 e a Igreja São Frei Pedro Gonçalves/PB

Casa antiga em João Pessoa, número em porcelana

 
Sobrado revestido com azulejos de Portugal

   
Wille e Rodolfo Cesar Bathke 
no Centro Histórico de João Pessoa/PB  

Wille Bathke Jr e a antiga Catedral de João Pessoa 

 
Wille no Conj Carmelitas e Capela de N.Sa. das Neves

 
Wille no altar das Carmelitas

 
Wille e Rodolfo na porta e na escada do Mosteiro de São Bento 

  
Wille ao pé do monumental Cruzeiro 
e a Igreja de S. Francisco de Assis - João Pessoa 


5 - Bathke no extremo ocidental da América do Sul

 
Rodolfo Bathke no extremo continental do Brasil, Ponta de Seixas - PB 

Wille Bathke Junior em Cabo Branco/PB

 
Wille e Rodolfo Bathke no Farol de Cabo Branco/PB

Rodolfo Bathke no ponto mais avançado do Brasil no Atlântico

Rodolfo, o Cordel, 
e nos côcos amarelos da Paraíba; Wille Bathke Junior

 
Literatura de Cordel/PB em Cabo Branco

  
Artesã e escritora de Cabo Branco/RN, Rocilda Costa, com Wille e Fatima Bathke, em sua casa de Jóias em Osso. "Aqui estamos no extremo avançado onde amanhece mais cedo no Brasil", afirma Cida  


6- Bathke na Praia do Jacaré/PB

Ouça Jurandy do Sax na Praia do Jacaré/PB

Wille Bathke Junior: 
ao por do sol. Jurandy executa o Bolero de Ravel 

 
Lá vai o Jurandy, tocando em seu barquinho, todo branco,  
com Assis no remo

 
Wille e Fátima Cristina Bathke na Feira de Cabedelo-PB

Wille e Rodolfo Cesar Bathke na entrada da Feira 

 
Fatima Cristina Bathke no por do Sol - Praia do Jacaré

Rodolfo Cesar Bathke e o por do sol na Praia do Jacaré,
onde, na realidade, não existe Praia nem Jacaré. É um rio.

 
Wille Bathke Junior aprecia o por do sol na PB 

 
Wille e Fátima Cristina Bathke, 
hora da tapióca em Cabedelo-PB

 
A angolana Paula e Wille Bathke Jr em Cabedelo/PB

Vamo dá uma vorrtinha cabra ??
Wille Bathke Jr: Depende, cadê o Lampião ??

Lampião, Rodolfo Bathke e Maria Bonita - Cabedelo/PB

A Praia Fluvial do Jacaré ou Praia do Jacaré é uma área turística que faz parte do corredor turístico de João Pessoa/PB. Nessa área estão concentrados bares, restaurantes, hotéis, casas de artesanato e de pescadores.
   Os turistas que conhecem a Praia do Jacaré ficam encantados com as belezas naturais oferecidas pela rica fauna e flora ali encontradas, mas o espetáculo mais bonito é proporcionado pelo Sol, que se põe de mansinho, enquanto é reverenciado pelo Bolero de Ravel, executado toda tardinha por Jurandy do Sax no barco que desliza nas águas do encantado Rio Paraíba, remado por Assis. 
   A praia também é um local de pescaria e de esportes com remo. O acesso à Praia do Jacaré é pela BR-230, Estrada de Cabedelo, depois faz contorno em Intermares e segue pela Estrada do Jacaré



7- Bathke e o Navio encalhado/RN

Navio de pesca nigeriano (África) encalhou na Praia de Búzios (Nísia Floresta - RN), no dia 4 de outubro de 2009, e virou atração turística na agenda de Natal/RN.

 
Fatima e Wille Bathke Jr rumo ao navio encalhado


 
Rodolfo e Wille Bathke Jr e as pinturas fosforecentes

 
Navio pesqueiro Nigeriano encalhou na Praia de Búzios -
em Nísia Floresta - RN

 
Rodolfo C. Bathke aponta a direção de Campo Mourão/PR 

Wille Bathke Jr se 'segura' 

 
Rodolfo Cesar Bathke na cabine de comando


8 - NAS DUNAS DE JENIPABU/RN

A 20 km de Natal, no município de Extremoz, está com certeza o cartão postal mais famoso do Rio Grande do Norte. Com suas dunas imensas e sua lagoa de água doce e quente, Jenipabu é um dos principais passeios do Litoral do RN. É nas dunas localizadas ao redor dessa lagoa que é comum a prática do esquibunda, onde os interessados descem as dunas em cima de pranchas de madeiras até cair na lagoa.

 
Conta com restaurantes, pousadas, hotéis, barracas, passeios de buggy, jangada e dromedários nas areias móveis na grande orla da praia.


Wille e dromedário nas Dunas de Jenipabu/RN

Wille e Fátima na Praia de Jenipabu/RN rumo às Dunas

Fátima na Lagoa e na Praia de Jenipabu




 

 

   
Fátima e Rodolfo C. Bathke no por do sol em Jenipabu/RN

As dunas de Jenipabu atraem turistas do mundo inteiro. Uma curiosidade sobre as dunas é que elas são móveis. A ação do vento, muito intensa no RN, leva a areia de um canto para outro, o que torna a paisagem sempre uma novidade.

Rodolfo Cesar Bathke na entrada de Jenipabu, 
Extremoz/RN 

  
Bin Laden aqui ??

Rodolfo C. Bathke e Wille nas artes de Jenipabu 

Distâncias e Rotas: Jenipabu fica no município de Extremoz (litoral Norte) a 20km do Centro de Natal, indo pela nova ponte Forte-Redinha. Pela ponte antiga, são 30km, com um trânsito bem mais pesado.

Para ir à Jenipabu utilizamos nova Ponte de Todos Newton Navarro (Forte-Redinha), que sai da Fortaleza dos Reis Magos

 
Ponte de Todos, no dedo do Rodolfo Cesar Bathke


9 - Pipa Privilege - Mar e Falésias/RN

 

Wille e Fatima Cristina Bathke na chegada  à Pousada

 

 
Aqui,  relax e paz total


 
Só beleza

 
Domador de tubarão

 
Mirante no alto das Falésias 

 
jardim de cactos nativos da areia

Wille Bathke Jr, Yemanjá e Búzio

Wille Bathke Jr e Coqueiro Anão do côco grande, 
Pipa/RN

 
vai caí....... um côco

     
Fatima, Rodolfo e a cervejinha na mão

  
Rodolfo nas ondas mornas de Pipa/RN

  
Um gafanhoto depois um peixe fisgado
 
arte com palmas verdes de coqueiro 

 
Wille se confunde no meio da paisagem. 
Só aparece o boné

 
Quase no topo... ufaa !!

Falésias contraforte das marés - Pipa/RN


11 - Lagoa do Sol/RN encontro das águas

  
Fatima C. Bathke no Restaurante Lua Cheia

Wille e Rodolfo C. Bathke. Ao fundo o encontro das águas

 
Wille e Mauricéia no cafézinho

 
Enquanto o Sol se põe atrás da Lagoa, a Lua sobe: 17:30 hs
  
 

Por sol visto do Restaurante Lua Cheia 


 
Rodolfo, Mauricéia, Wille e Fatima C. Bathke no Lua Cheia

 
Wille e camarão do Lua Cheia: Vamo nessa ??


Obs: abra em nova janela e amplie